Sesc Pompéia abriga festival "Hoje o Rock Saiu!"

Com produção assinada por Clemente, vocalista do grupo Os Inocentes, o festival Hoje o Rock Saiu! apresenta até domingo, no Sesc Pompéia, 16 bandas das mais diferentes tendências dentro do gênero, entre gótico, trash metal, ska, rockabilly, death metal, punk, straight edge e por aí vai. Para cada dia, Clemente reservou o encontro de quatro bandas, entre veteranos e da nova geração, entre as influências e os influenciados. "São bandas que não tocam nos mesmos guetos, mas têm algo em comum", conta o produtor. Foi a partir desse ponto de convergência entre os grupos - cada qual com sua linguagem, comportamento e atitude - que ele conseguiu montar a programação diária do evento. O festival estreou ontem, sob o domínio das mulheres. O trio de paulistanas The Hats abriu a noite e dividiu as atenções com As Mercenárias, considerada banda percussora do rock do riot-girrls, com as garotas do Dominatrix ao lado da cantora Vange Leonel, e com o grupo Lava. Hoje, a maratona continua com a banda Violeta de Outono, formada há 20 anos, mas que, da formação original, só conta com seu fundador, o vocalista e guitarrista Fábio Golfetti. O grupo caiu nas graças do circuito underground, das casas noturnas pequenas e das rádios alternativas, fazendo um rock genuíno e psicodélico, ligado ao movimento gótico. No Sesc, o Violeta terá companhia do guitarrista Lanny Gordin (leia aqui).Outra atração da noite é o Elegia, que surgiu em 89 sob a influência de bandas post-punk, gothic-rock e independentes dos anos 80. Mais recentes na cena do rock, os integrantes do Vermelho 40 estão na estrada desde 2000, vindos de São José dos Campos, e a banda Diáfanes busca espaço investindo em diferenciais sonoros, nas músicas e timbres, fruto das múltiplas influências de seus músicos. No sábado, é a vez de Claustrofobia, Discarga & João Gordo, Expulser e Point of no Return se revezarem no palco do festival. A banda Claustrofobia costuma figurar na lista dos seguidores do thrash metal nacional. Seu histórico é considerável: 10 anos de estrada, 12 discos oficiais, além de participações de coletâneas e demos, e muitos festivais de rock. Já o grupo Discarga é adepto de um movimento denominado "straight edge": eles curtem hardcore, mas são vegetarianos e abominam drogas, álcool e cigarro. Neste show, estarão devidamente acompanhados de João Gordo, vocalista do Ratos de Porão, apresentador da MTV e um resistente da cena punk nacional. Também seguidores dessa linha, o sexteto do Point of no Return tem até discos lançados no exterior, incluindo Argentina, Canadá, Alemanha, entre outros países. A banda, que surgiu em 97, conseguiu conquistar a cena do underground com letras (a maioria, em português) de forte cunho político e de ode ao vegetarianismo. Já a banda mineira Expulser, com dois álbuns na discografia, faz alegria dos fãs de death metal. Para o encerramento do festival, no domingo, estarão Tony Campello (ao lado do trio Ready Teds), e as bandas Firebug, The Krents e Sapo Banjo. O sumido Tony Campello, irmão de Celly, é destaque da noite. Um dos pioneiros do rock no Brasil, Tony deve botar o público para dançar com uma bateria de clássicos do rock´n´roll e rockabilly. Sesc Pompéia - Rua Clélia, 93, Pompéia, 3871-7700. Hoje e amanhã, às 21h; domingo, às 18h. R$ 6 a R$ 12

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2005 | 13h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.