Eterno Monge
Eterno Monge

Serjão Loroza inicia nova fase com single e prepara show ‘afrobrazuca’

Cantor e ator lança ‘MoPrê’, parceria com a cantora Doralyce, que também tem um registro audiovisual

MATHEUS MANS, ESPECIAL PARA O ESTADÃO

05 de janeiro de 2022 | 05h00

Logo depois de participar do reality show The Masked Singer Brasil, o cantor e ator Serjão Loroza parece ter embarcado em uma nova fase de sua carreira. Primeiramente, ele lançou o single Afronauta, canção que homenageava sua participação no programa e que também já dava o tom do que viria pela frente: estilizada, dançante e brincando com a potência da voz de Serjão. Agora, Loroza confirma esse novo caminho musical com o lançamento MoPrê.

Fruto de uma parceria do carioca com a cantora Doralyce, a canção é um projeto composto. Afinal, além do single, MoPrê chega também com um registro audiovisual do multiartista Jonathan Ferr. “O fim da pandemia dá uma necessidade maior de produzir e de querer fazer coisas. Eu e o Jonathan começamos a pirar, a falar sobre músicas”, conta Serjão ao Estadão. “Neste momento, tudo passa também pelo audiovisual, que me interessa muito.”

Serjão conta que, a partir dessa conversa com Jonathan, surgiu a ideia de fazer um sound camp, um encontro de artistas para criar e pensar música – além de Serjão e Jonathan, estavam nesse encontro a cantora Doralyce, Douglas Bastos e Pedro Amparo. Nasceram daí quatro canções; duas delas, Afronauta e MoPrê, já ganharam vida. Serjão, enquanto isso, deixa clara toda a sua alegria e empolgação com esse seu novo trabalho na carreira.

“Durante muito tempo, tivemos que ficar calados sobre certos assuntos. Até mesmo por sobrevivência. Tinha coisa que era melhor a gente ficar forte para vir com demandas”, diz Loroza. “A gente tem responsabilidade diante do coletivo. No meu caso, não só dos negros, mas também dos gordos, dos periféricos, dos favelados, dos suburbanos. Toda essa galera que não é agraciada com o ‘padrão’. Gostaria de poder fazer alguma coisa por essa galera.”

A parceria com a pernambucana Doralyce para MoPrê, assim, também surgiu de maneira natural. “Claro que eu queria fazer uma parceria com ela. Além de ser belíssima, ela também é politizada de uma forma que é importante para o mundo. Ela tem um discurso muito forte, muito potente, e que pega a gente nesse momento de transformação”, conta o cantor. “O mundo de antes está acabando e, agora, estamos tentando construir o próximo”.

SIGNIFICADO DE ‘MOPRÊ’. O novo single de Serjão é daqueles desafiadores de decifrar. Tem um tom romântico (“deixa eu te dizer, o que a gente tem, muita gente quer também”), mas também esbarra na sensualidade das vozes de Loroza e de Doralyce. Os dois são embalados por uma melodia que mistura elementos: a percussão ditando bem o ritmo, enquanto efeitos nas vozes da dupla trazem um som de lovesong envolvente. A letra, enquanto isso, provoca e instiga.

“É muito importante isso da autoestima. De uma certa maneira, o mundo fica mandando pequenos recados como se a gente não participasse desse mundo. Essa inclusão e esse autoamor é, definitivamente, importante para que a gente pense no futuro possível que nos inclua na sociedade de uma maneira mais positiva. Na canção, tem um trecho que fala MoPrê. Essa expressão não existe, mas tem a ver com o amor preto. É um afeto por si mesmo. Se você se amar, é o início de uma revolução”, contextualiza Serjão Loroza.

Agora, com esses dois novos singles já no mercado, o cantor começa a preparar o seu novo show. “Passa por todas as coisas que já fiz, mas que tem essa nuance que pega um pouco mais dessa coisa da nossa cultura, a cultura ‘afrobrazuca’. São coisas que, até mesmo por mim, foram relegadas a segundo plano. Mas foi uma coisa muito bem pensada. A gente só é capaz de amar o que conhecemos. Se não conheço minha cultura, como vou amar minha cultura?”, questiona. “Mas agora a gente está se amando, se redescobrindo”.

Tudo o que sabemos sobre:
Serjão Lorozamúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.