Sem Nando, Titãs lançam biografia

Com camisetas pretas, óculos escuros, pose meio rock´n´roll, meio pais de família, os Titãs acenavam para os fãs, distribuíam sorrisos e autógrafos. Era segunda à noite, na livraria Fnac, em Pinheiros, lançamento do livro A Vida Até Parece Uma Festa - Toda a História dos Titãs, biografia autorizada escrita pelos jornalistas Luiz André Alzer e Hérica Marmo.Membros de uma das maiores (também no sentido de numerosa) bandas brasileiras, estavam quase todos lá: Sérgio Britto, Branco Mello, Charles Gavin, Paulo Miklos, Toni Belloto e até o primeiro a sair Arnaldo Antunes. Mas nada de Nando Reis, que deixou o grupo há poucas semanas.A saída do músico, um dos principais letristas da banda, foi o terceiro desfalque nos 20 anos de carreira dos Titãs (nos anos 90, Arnaldo partiu para a carreira solo e em 2001, Marcelo Frommer morreu). E também o mais polêmico.Na confraternização, com uísque e amendoins, a ausência de Nando Reis gerou o único mal-estar da noite. O assunto era sussurrado entre cochichos de fãs e convidados. Uns especulavam um certo ciúme por conta da ausência dos três ex-titãs na foto de capa do livro. Outros, comparavam a um fim de um longo namoro, um relacionamento mal resolvido. "Sobre a capa, foi de comum acordo que decidimos colocar a formação atual dos Titãs. É um grupo que continua na estrada e colocar uma foto antiga pareceria algo bastante desatualizado", explicou o autor Luiz André Alzer.Mesmo com a assessoria avisando à imprensa de que Nando Reis era um assunto proibido, no final da noite de autógrafos, Branco Mello confessou: "Não nos falamos desde a reunião que culminou na saída dele. Ele não ligou para a gente e, assim, a gente também não ligou para ele. Se é um clima bom? É claro que não. Mas ele é um cara bacana e acredito que vamos voltar a nos falar um dia."Ao lado da mulher e filhas, o ex-titã Arnaldo Antunes fez sua "participação especial". Posou para fotos, bebeu, conversou com os amigos e foi embora logo. "O Miklos até me convidou para ficar lá, dando autógrafos, mas não topei não. Achei que não tinha nada a ver. Não sou mais um titã". Sobre Nando Reis, Antunes continua na linha "paz e amor". "Tenho falado com ele. Nesta segunda, inclusive, fui ao show dele, que está muito bacana".Nando, Antunes, Branco e os outros quatro rapazes de São Paulo são amigos desde os tempos de colégio, quando estudavam no Equipe, sob a supervisão de Serginho Groisman (que na época trabalhava no colégio) e o professor de história da arte Gilson Pedro, 56 anos. "O Nando era um dos alunos mais brilhantes. Além de letrista, era um pintor com traços excelentes. O Miklos era um dos mais invocados e o Branco, um maluco", lembra o professor.Na salinha para familiares, Malu Mader e Ângela Figueiredo conversavam sobre onde devem passar o réveillon. Enquanto isso, aproximadamente 100 fãs (a maioria adolescentes que gritavam diante de Toni Bellotto) davam voltas e voltas na fila em busca de autógrafos. "Cheguei às 14h! Tudo para ver o Nando e o Miklos que são uns gatos", disse Ana Claudia Reis, 14 anos. "Vim de Taubaté só para vê-los e ver Malu Mader também", disse Gisele Cristina Figueira, 26 anos. Às 22h20, ao final do evento, garçons também se deliciavam. "Nem acredito! Malu Mader e suas pernas de pertinho!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.