Secretária de Saúde monta esquema de emergência

Para os sete dias de realização do Rock in Rio III, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio montou uma grande estrutura de atendimento em conjunto com o Corpo de Bombeiros, o Grupamento de Socorro e Emergência da Defesa Civil e uma empresa de saúde contratada pelos organizadores do festival. Essa experiência nova de reunir diversos setores para decidir a assistência médica empregada contará com um grande e moderno esquema de comunicação. Serão utilizados rádios e telefones celulares no monitoramento do trabalho em três níveis de atendimento. O primeiro será desempenhado dentro do evento pela empresa de saúde. Funcionários da Defesa Civil transportarão em macas os pacientes para os postos da empresa. Quando ocorrerem casos graves ou que superem a demanda da empresa de saúde, os pacientes serão encaminhados para o Hospital de Campanha do Grupamento de Socorro e Emergência, montado do lado de fora da cidade do Rock. A Secretaria Municipal de Saúde estará em alerta com equipes completas e de plantão para assumir os casos mais graves. A estratégia de atendimento engloba cinco hospitais de referência e cinco complementares. Próximo à Cidade do Rock, o hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, será o primeiro a receber pacientes. Caso a demanda seja maior, os hospitais Miguel Couto, Cardoso Fontes, Souza Aguiar e Salgado Filho serão acionados em seqüência. Além disso, no caso de falta de especialistas em determinadas unidades, poderão ser chamados médicos dos hospitais complementares.

Agencia Estado,

11 de janeiro de 2001 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.