Divulgação
Divulgação

Scorpions volta ao Brasil: 'Ainda temos fôlego', diz guitarrista

Banda se apresenta em nesta quinta, 1.º, sábado, 3, e domingo, 4

Pedro Antunes , O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2016 | 05h00

Desde que a banda Scorpions anunciou que Sting in the Tail, disco de 2010, seria seu último e seria sucedido de uma turnê de despedida, a trupe veterana do hard rock alemão se apresentou 9 vezes em solo brasileiro – em São Paulo, foram quatro ocasiões. Um número considerável tendo em vista que a banda agora cinquentona iniciou suas vindas para terras brasilis em 1985, no histórico primeiro Rock in Rio, e tem um cartel de 34 shows por aqui – quase um terço dessas performances ocorrem depois do tal “acho que vamos descansar nossas jaquetas de couro”. A numeralha toda tem razão de existir. Apesar dos rumores de um novo fim do Scorpions, a banda segue firme, com um novo disco na mala, Return to Forever, lançado no ano passado, e, é claro, uma nova passagem por aqui. Klaus Meine (voz), Matthias Jabs (guitarra solo), Rudolf Schenker (guitarra-base), Paweł Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) têm seis shows no Brasil marcados. Três deles em São Paulo, nesta quinta, 1.º, sábado, 3, e domingo, 4. 

Ao Estado, Jabs, responsável pelos solos venenosos do grupo desde que foi iniciada a escalada para a fama da banda, em meados dos anos 1970, falou sobre Return to Forever, um disco no qual o quinteto se propôs a recriar canções nunca lançadas, guardadas como sobras de estúdio ao longo dos 51 anos de carreira da trupe, além da própria longevidade impressionante dele e seus companheiros. Em 2017, a banda vai descansar, mas, de acordo com o guitarrista, parece impossível, para ele e para os fãs, que o Scorpions vá se dar por derrotado diante da idade. “Ainda temos fôlego”, diz o músico de 60 anos. Leia mais: 

Por que voltar no tempo e resgatar essas sobras de estúdio e recriá-las para o novo disco? 

Voltamos especificamente aos anos 1980 por uma razão. Era a época do vinil e cada um daqueles LPs tinha espaço para oito ou nove músicas. E, normalmente, fazíamos 25 músicas ou trechos para acabar com um número muito reduzido. Pelo menos, a ideia do processo todo era essa. É claro que, quando começa a ser criativo, as pessoas começam a criar novidades. Assim, também surgimos com canções inéditas para esse álbum. 

Surpreende você o fato de que as canções novas sejam sonoramente similares às antigas? 

Acho que isso tem a ver com o DNA do Scorpions. Tanto nas novas canções quanto nas velhas, ele se faz presente. Ele continua o mesmo, mesmo 30 anos depois daquelas gravações durante os anos 1980. É isso que encaixa tudo no disco. 

Mas vocês mesmos eram pessoas diferentes naquela época. 

Sim e os anos 1980 foram especiais demais para a gente. Foi quando aquilo hoje conhecido como classic rock se consolidou. E estávamos lá. Fazíamos parte disso e com ele nos desenvolvemos. Entenda, para a gente, era tudo uma grande diversão. Estávamos criando algo novo, era divertido viajar ao redor do mundo. A experiência é diferente agora, mas ainda amamos fazer isso. 

Por falar nisso, desde 2010, ouço rumores ou declarações de algum integrante do Scorpions dizendo que a banda iria se aposentar. E, contra tudo isso, vocês estão lançando mais um disco e vindo novamente ao Brasil. 

Acho que, quando começamos com isso, em 2010, anunciamos a aposentadoria cedo demais. Sabe, como uma banda de rock, não podemos ficar sentados em um banquinho. É preciso energia. E ainda temos fôlego. No ano que vem, deveremos tirar um tempo de descanso. São, afinal, sete ou oito anos consecutivos de turnês, mas não será o fim.

SCORPIONS EM SÃO PAULO 

Citibank Hall. Av. das Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro. Dias 1º (5ª), às 21h30, 3 (sáb.), às 22h, e 4 (dom.), às 20h. R$ 90 a R$ 750. 

Tudo o que sabemos sobre:
Música

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.