São Paulo sedia festival de reggae

O ritmo consagrado por Bob Marley na década de 70 parece estar conquistando novamente milhares de adeptos no Brasil. Novas bandas de reggae não param de surgir e, em menor ou maior quantidade, encontram público e casas noturnas para mostrar seu trabalho. É nesse cenário que se realiza amanhã o Festival Internacional do Reggae, trazendo vários artistas jamaicanos e bandas brasileiras. O festival será aberto pela banda paulista Planta e Raiz. Na seqüência, se apresentam os grupos jamaicanos Fully Fullwood Band, Silvya Tella, Max Romeo e U-Roy. O final do evento fica por conta da Tribo de Jah.A Planta e Raiz traz integrantes jovens e um suingue que tem agradado não só ao público capital, mas também ao do litoral. U-Roy é conhecido como o rei do reggae. Max Romeo é um dos mais polêmicos artistas de reggae mundial. É o compositor de vários clássicos do gênero, como War In a Babylon, banida das rádios jamaicanas pelas autoridades, que alegavam que o seu teor poderia incitar as pessoas ao conflito.Fully Fullwood Band foi contrabaixista de Peter Tosh durante 12 anos. Radicado na Califórnia, Fully trabalha como produtor musical, cercado pelos mais renomados músicos atuantes nos EUA. Até hoje, acompanha com sua banda grandes nomes do reggae, como Joe Higgs e Mikey Dread. Além de apresentar suas próprias canções, a banda acompanhará no festival todas aos outros artistas jamaicanos.A cantora Sylvia Tella é um novo nome no reggae jamaicano. Radicada na Inglaterra, descendente de jamaicanos, é comparada à Judy Mowatt, integrante das I-Trees que fazia backing vocal para Bob Marley. Já a banda maranhense Tribo de Jah, é atualmente a maior referência do ritmo no País. O festival aconteceria em dois dias, mas como a banda jamaicana The Gladiators não realizará sua apresentação, os shows marcados para hoje foram cancelados. Festival Internacional do Reggae. Amanhã, às 21h. Via Funchal (R. Rua Funchal, 65 - V. Olímpia, tel. 3846-2300. Ingressos antecipados: de R$ 30 a R$ 60. Na hora: de R$ 50 a R$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.