São Paulo ganha feira de CDs

As movimentadas Ruas Aspicuelta e Medeiros de Albuquerque, na Vila Madalena de São Paulo, recebem, neste domingo, das 9h às 22h, a 1.ª Feira do CD na Rua, evento promovido pela Apademp (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Música Profissional) com apoio das secretaria estadual e municipal de Cultura e da Prefeitura Municipal de São Paulo. Durante o dia, como em uma quermesse, o público poderá comprar, nas barraquinhas espalhadas pela calçada, CDs novos e usados, entre lançamentos e raridades, DVDs, instrumentos, livros, revistas e partituras de música popular brasileira. Além disso, os expositores, selecionados pela associação, irão promover shows de artistas, famosos ou em busca do estrelato, como Paulo Freire, Célia Porto, Consuelo de Paula, Zé Geraldo, Dinho Nascimento e Tom Zé, entre outros. Durante a feira, a Apademp - organização criada em 1999 por músicos paulistanos insatisfeitos tanto com os desmandos da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) quanto com a desunião da classe -, manterá um espaço exclusivo para inscrições. Os músicos supracitados já são filiados.Com o evento, a entidade pretende, além de reunir em um mesmo espaço os representantes do cenário independente e colocá-los em contato com o público, aumentar sua penetração entre os músicos, selos, gravadoras, distribuidoras, lojistas, associações e fundações culturais de São Paulo. Baseada na frase cantada por Milton Nascimento - "Todo artista tem que ira aonde o povo está" - a feira é itinerante, ou seja, suas futuras edições irão ocorrer em outros bairros da capital. Discolada - Um dos destaques da programação é o lançamento do Discolada, projeto desenvolvido pelos músicos e produtores Jo de Souza e Tuco Rodrigues, da Trigrama Editora, e pela programadora cultural e produtora Lúcia Rodrigues, da Dois LL Produções. Trata-se de um catálogo reduzido, composto por discos e livros "descolados" de artistas fora do circuito das grandes gravadoras e editoras, que será comercializado pela Internet (www.discolada.com.br). Também serão vendidos kits com os discos e livros do catálogo em bares, restaurantes, casas noturnas, bancas de jornais e espaços culturais de São Paulo. O Discolada já estará à venda no dia da feira. "Nosso objetivo principal - diz Lúcia - é oferecer cultura contemporânea desvinculada de qualquer intermediário, valorizando e divulgando o artista que acreditou e bancou a sua obra".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.