Sanfona universal de Mestrinho estreia com brilho

Seguidor de Dominguinhos, aprovado pelo próprio, músico sergipano faz seu primeiro disco soar como uma promessa

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2014 | 16h00

Soaria a maior das pretensões se a vida não tivesse colocado um ao lado do outro, no mesmo palco. Mestrinho estava lá, orgulhoso, tocando para o herói Dominguinhos como um aprendiz honrando ao samurai. Lá pelas tantas, Seu Domingos apresentou a banda toda, mas não falou em seu nome. A plateia gritou: “E o outro sanfoneiro?”. Mas Domingos ignorou.

Mestrinho teve vontade de chorar. “Será que eu fiz algo que ele não gostou?” Até que o mestre terminou a canção e parou o show: “Olha aqui, eu deixei para apresentar o sanfoneiro depois mesmo, de propósito. Só queria que ele esquentasse antes, como dizia Luiz Gonzaga. Agora, quero que venha cantar uma música comigo aqui, Mestrinho”.

Mestrinho é Edivaldo Junior Alves de Oliveira. Sergipano de Itabaiana, 25 anos, sanfoneiro e cantor metade por dom, metade por profecia de mãe. “Quando ela estava grávida, brigou com meu pai, que também é sanfoneiro. No meio da discussão, disse que teria um filho que tocaria muito mais do que ele, e começou a me chamar de Mestrinho.”

A mãe nunca teve dúvidas de seus pressentimentos e, com o tempo, Mestrinho foi obrigado a concordar com cada um deles. Depois de chegar a São Paulo com o Trio Juriti para trabalhar no circuito do forró universitário de Pinheiros, de fazer parte do conjunto de Elba Ramalho em shows pelo Brasil, de tocar com Dominguinhos e de gravar o disco Gilbertos Samba e participar da turnê, ainda em curso, de Gilberto Gil para lançá-lo, seu primeiro álbum está finalizado.

Opinião, um registro autoral, foi feito em um universo maior que o de baiões e xaxados. Há xotes, como a própria canção Opinião, mas logo se percebe que Mestrinho tem percepções de maior alcance. Algo ali soa jazz, vira samba, volta a ser forró. Sua pegada de mão direita é suave, deslizando pelas teclas com os ligados similares aos de Dominguinhos. E sua voz joga bem nas mesmas posições graves que a do ídolo.

O peso do termo sucessor é demais, ele sabe. Prefere dizer-se seguidor, ou um deles. “Não sou só eu, somos vários.” Sua relação com Domingos se tornou paternal. Até hoje, sua voz desce dois tons quando fala da despedida do homem que lhe deu as primeiras chances na vida. “É uma tristeza que ainda estou trabalhando.”

Em um show no Recife, no Chevrolet Hall, foi ao camarim de Dominguinhos apenas para lhe dar um abraço. “Cadê a sanfona? Tá aí?”, quis saber o músico. Não estava, mas Mestrinho mentiu. “Está sim, no carro.” “Então se prepara que vou te chamar pra tocar comigo”, avisou. O jovem correu até o estacionamento, fez o nome do pai, entrou no automóvel, voou para buscar o instrumento e retornou vivo e a tempo de subir ao palco.

Quando Domingos adoeceu, vítima de um câncer no pulmão, Mestrinho quase adoeceu também. Foi muitas vezes ao Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para uma visita com a sanfona colada ao peito. Em uma delas, levou uma música nova, que havia feito em homenagem ao mestre. Mas, antes de tocar, fez um pedido sincero: “Seu Domingos, se o senhor gostar, aperte a minha mão. Se não gostar, não precisa apertar, tá bom?”. Ajustou o instrumento e começou, silenciando o quarto com sua sanfona. Quando terminou, Mestrinho segurou a mão graúda de Domingos esperando por uma resposta. E, aos poucos, lentamente, o mestre começou a apertar seus dedos.

Baião é só a ponta da esmeralda

Álbum com participação de Gilberto Gil parte das raízes, passa pelo samba, chega ao jazz e apresenta um legítimo herdeiro

Em Luiz Gonzaga, Mestrinho vê o todo, uma Nação, o universo. Mas de Dominguinhos, seu principal tutor, sente a sanfona. Sempre foi assim, até que ele criasse seu estilo e chegasse ao primeiro trabalho autoral, Opinião.

Ao ouvi-lo, o pensamento vai para a zona perigosa das comparações, das procuras por um enxerto na ferida aberta pela partida de Seu Domingos. Mestrinho não é Dominguinhos nem é bom que seja, mas não deixa de ser uma alegria saber que o filho de Garanhuns ergueu uma obra muito maior do que musical. Há uma geração de garotos dando sentido às suas vidas e crescendo à luz de seus ensinamentos.

Mestrinho é um artista excepcional. Arribação, uma das faixas do álbum, revela o fole de fôlego, o fraseado ágil e a inclinação jazzística que pode dar a seu instrumento mesmo quando nos faz querer dançar. Ele herda do mestre um quesito que não se encontra estudando. Sabe falar com o sertanejo iniciante e com o instrumentista letrado na mesma canção, conquistando o respeito dos dois. Melhor do Amor tem harmonia djavaneana que o distancia dos forrós de produção em série. E o samba Superar, com participação de Gilberto Gil, é candidata a canção perpétua em seu repertório, com Gil ou sem Gil. O baião é pouco para a sanfona de Mestrinho. Ele está lá e é onde tudo começa, mas seu mundo não para aí. / J.M. 

Tudo o que sabemos sobre:
MúsicaMestrinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.