Salzburgo apresenta, pela 1.ª vez, todas as óperas de Mozart

Em homenagem ao 250.º aniversário de Wolfgang Amadeus Mozart, cerca de 150 cantores líricos e grandes maestros se reúnem, a partir deste domingo, na cidade natal do compositor, na tradicional Festival de Salzburgo de Ópera, Música e Teatro. O desafio desta edição será representar, pela primeira vez, todas as óperas de Mozart, em seqüência. São previstas, ao todo, 84 apresentações, que prestigiam o compositor que criou mais de 600 obras em menos de 36 anos de vida e que compôs sua primeira ópera aos 12 anos. O festival começa com um encontro às margens do Rio Salzach, onde até 31 de agosto serão apresentadas 22 óperas do compositor.A cidade austríaca recebe mais uma vez no verão as principais figuras da música, entre elas Nikolaus Harnoncourt e Riccardo Muti, que vão dirigir duas novas produções operísticas cercadas de grande expectativa.As Bodas de Fígaro, com a direção de Harnoncourt e o soprano russo Anna Netrebko no papel de Susana, vai reinaugurar no dia 26 de julho o auditório Haus für Mozart (Casa para Mozart), reformado para o festival. Muti vai dirigir A Flauta Mágica, tendo a soprano Diana Damrau no papel da Rainha da Noite, no dia 29.Desafio partiu do diretor do festival O desafio de encenar as 22 óperas do gênio de Salzburgo partiu do diretor do festival, Peter Ruzicka. O projeto abrange desde os maiores sucessos até fragmentos pouco representados e raridades. "Diferentes formas musicais serão investigadas, obras famosas serão representadas de forma inovadora e as menos conhecidas se tornarão mais familiares", promete o maestro alemão. "Esta é a idéia do programa de concertos, que une Mozart com a música do ainda jovem século 21", disse, numa entrevista concedida esta semana ao jornal austríaco Kurier. A programação da edição de 2006 do festival é a quinta e última sob seu comando.O maestro programou obras precoces do gênio, entre elas algumas operetas que compôs quando era um menino, como Bastien e Bastienne, que estréia dia 28 de julho, representada com marionetes.O humor da ópera bufa La Finta Semplice e a inacabada L´oca del Cairo servirão para unir tradição e vanguarda, graças às novas tecnologias, que transformarão as obras em peças de multimídia.O programa tem despertado uma grande expectativa. Mas não faltam críticos que acusam o plano de pretensioso e monumental. Óperas da juventude do artista serão encenadas "Sem dúvida, é o maior desafio para um gerente cultural estar em Salzburgo em 2006 e transformar em realidade este plano", reconhece Ruzicka. Segundo o diretor, as críticas vão diminuir com a aproximação do jubileu de Mozart e a constatação de que as óperas da juventude do artista, embora menos conhecidas, também merecem ser encenadas."Ficarei satisfeito se até o fim do Ano Mozart essas óperas passarem a integrar o núcleo de repertório", diz Ruzicka.O festival começa no próximo domingo e vai até 31 de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.