'Salve a terra de Luiz Gonzaga', diz Paul McCartney em Recife

Mais de 30 mil pessoas viram os Beatles se encontrarem com o Rei do Baião

Jotabê Medeiros - enviado especial,

23 de abril de 2012 | 05h39

Recife, 23 - Dessa vez, Paul McCartney foi ainda mais certeiro. "Salve a terra de Luiz Gonzaga", ele disse, em português, logo após cantar Drive My Car. Na segunda apresentação do cantor no Recife, nesta noite de domingo, para um público estimado até o início da noite em 30 mil pessoas, os Beatles se encontraram com o Rei do Baião, uma das fusões nunca imaginadas do mundo do pop. E justamente no centenário de nascimento de Gonzagão, o que configura uma jogada de mestre.

Bem escolado, Paul toca no coração do povo pernambucano com os hits (ele abriu o show pontualmente, às 21h30, com Hello Goodbye) e com sua vocação para diplomata de palco. Já está quase  se tornando íntimo do Recife - um boneco gigante do carnaval pernambucano, com a sua cara, desfilava pelo meio do público, juntando Sgt. Pepper's com O Homem da Meia-Noite. É uma peça da coleção da maior fã de Paul no Recife, Claudia Tapety, do Recife, cuja casa é uma verdadeira Liverpool. Ela possibilitou uma festa para os fãs, que tiravam fotos com o boneco e dançavam em volta dele.

O elogio a Luiz Gonzaga, em seu centenário, mostra uma disposição de McCartney em usar sua popularidade para despertar em suas plateias o melhor delas mesmas. Foi catártico (embora não tenha superado a frase do sábado, "povo arretado!", uma verdadeira senha para a aceitação coletiva). Asa Branca, de Gonzagão, teria sido um contraponto perfeito para Blackbird, que Paul. "Tivemos muitos problemas com direitos civis nos anos 1960. Fiz uma música para minorar esses problemas, ou ao menos para fazer as pessoas se sentirem melhores", disse o Beatle, antes de cantar Blackbird.

Paul já estava no estádio desde as 18h, é um workaholic. Na metade do seu segundo show, já tinha muita gente sentada no gramado, exausta. Mas ele não dá a menor pinta de que vai se cansar. Vai embora do Recife nesta segunda, rumo a Florianópolis, deixando mais que lembranças. Deixa sua marca. No Facebook, esta manhã, a estudante Natália Lobo, de 21 anos, postou fotos de sua mais recente tatuagem - ela colheu uma assinatura do beatle na nuca, e foi com ela até o tatuador, virando um cheque ambulante de um dos Fab Four.

O segundo show de Paul no Recife foi mais acústico, mais cheio de sutilezas e em clima de despedida. Paul voltou a elogiar os anfitriões ("É bom estar de volta ao Brasil, em Pernambuco") e, apesar do público menor, o entusiasmo reinou.

Eis o repertório do segundo e último show no Recife:

Hello Goodbye 

Junior's Farm

All My Loving

Jet

Drive My Car

Sing The Changes

Night Before

Let Me Roll It

Paperback Writer

Long And Winding Road

1985

My Valentine

Maybe I'm Amazed

I've Just Seen A Face

And I Love Her

Blackbird

Here Today

Dance Tonight

Mrs Vanderbilt

Eleanor Rigby

Something

Band On The Run

Obla Di Obla Da

Back In The USSR

I Gotta Feeling

A Day In The Life/Give Peace A Chance 

Let It Be

Live and Let Die

Hey Jude

Lady Madonna 

Day Tripper

Get Back

Yesterday

Helter Skelter

Golden SlumbersJ

Tudo o que sabemos sobre:
Paul McCartney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.