Sai último disco da rainha da salsa Celia Cruz

O último álbum da rainha da salsa Celia Cruz acaba de chegar ao mercado com um título surpreendente: Regalo del Alma (Presente da Alma). A cantora morreu no dia 16, vítima de um câncer no cérebro. O disco de 11 faixas, inclusive Ríe y Llora, que começou a tocar no rádio no início do mês. A fogosa canção de Sergio George e Fernando Osorio diz "cada um tem a sua hora" e diz no estribilho final "Ria e chore/ esta negrinha não sai de moda".Outra canção de ritmo contagiante e letra significativa é Diagnóstico, de Marisela Verena, em que a estrela canta: "Eu tenho açúcar/ eu tenho som/ eu tenho Cuba em meu coração". A combinação de ares flamencos e ritmo tropical é a base melódica de Ay pena, penita, o sucesso clássico de Lola Flores. Mas a faixa mais surpreendente é sem dúvida Sobreviverei, uma versão em castelhano da música I Will Survive que deu fama à estrela norte-americana Gloria Gaynor.O álbum foi gravado nos estúdios de Nova Jersey, Nova York, Miami e Madrid em fevereiro e março deste ano, sai com o selo da Sony, e começou a ser vendido ontem.Celia Cruz morreu em sua residência de Fort Lee, Nova Jersey, aos 78 anos, e durante sete dias seus restos mortais foram velados em Miami e Nova York. Depois de ser velada por milhares de admiradores em Miami no fim de semana seguinte, a cantora cubana recebeu uma homenagem impressionante, jamais rendida a um artista hispano-americano em Nova York. Seu ataúde dourado, coberto com a bandeira cubana atravessou o coração de Manhattan numa carruagem majestosa enfeitada de flores mas cores branca e lilás e puxada por dois cavalos brancos. Uma multidão nas ruas cantava suas músicas mais famosas e aplaudiam ao ver o cortejo passar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.