Sai em CD a nata do jazz no palco de Montreux

Um dos muitos encontros armados pelo produtor Norman Granz, está registrado em Ella & Basie - A Perfect Match, um dos 8 preciosos DVDs de jazz lançados pela ST2 esta semana no Brasil. A ST2 foi espertíssima: a série saiu em setembro nos Estados Unidos. Em 1979, Ella Fitzgerald (1917-1996) está no palco do Montreux Jazz Festival, acompanhada por seu trio regular (o pianista Paul Smith, o baixista Keter Betts e o baterista Mickey Roker) e mais uma orquestra. Mas há um convidado especial, que entra ali pelo meio do show: o pianista William "Count" Basie (1904-1984). Ella & Basie é uma entre as pérolas do pacote. Há uma versão fenomenal para Dindi, de Tom Jobim, com a orquestra de Basie esmerilhando com maestria o clássico da MPB. Ella alterna domínio ancestral do estilo bluesy, em Sweet Georgia Brown, a um festival de scats em faixas como Fine and Mellow. A apresentação de todos os DVDs é do crítico Nat Hentoff, um depoimento gravado em junho deste ano em Nova York, que amarra todas as histórias. A maior parte desses astros do jazz, hoje, virou lenda. O trompetista, cantor e pianista Roy Eldridge (1911-1988), codinome Little Jazz, foi um mito que fez a ponte entre as eras do swing e a revolução do bebop. Chegou a Nova York em 1934 e foi imediatamente reconhecido como um dos maiores do seu instrumento depois de Louis Armstrong. Ele aparece aqui em um show no festival de Montreux ao lado de Oscar Peterson (piano), Niels Pedersen (baixo) e Bobby Durham (bateria), tocando clássicos como Perdido e Between the Devil and the Deep Blue Sea. A pianista e arranjadora Mary Lou Williams (1910-1981) foi uma das maiores instrumentistas femininas do jazz. Cresceu em Pittsburgh e, ao lado do marido, John Williams, integrou a Terrence Holder´s Clouds of Joy Orchestra. No DVD, de 1978, ela surge em interpretações pungentes de Offertory Meditation, The Lord Is Heavy e The Man I Love. Morto em 2003, o saxofonista, clarinetista, trompetista e cantor Benny Carter foi um dos grandes bandleaders do jazz, além de genial arranjador e compositor. A série traz uma performance de Carter em 1977, acompanhado por Ray Bryant, Jimmie Smith e Niels Pedersen e acariciando clássicos como Body and Soul e Here´s That Rainy Day. Outra raridade do pacote é o concerto do pianista Ray Bryant, o homem da Filadélfia, uma fina conexão entre o bebop e as raízes da música americana, do blues e do gospel. Moderno e ancestral ao mesmo tempo, Ray Bryant surge tocando pérolas como St. Louis Blues, Georgia on My Mind, Take the "A" Train e Django. Norman Granz´ Jazz in Montreux. Série de oito DVDs. Lançamento ST2. Preço médio de cada D R$ 49,00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.