Saem em CD os primeiros discos de Angela Ro Ro

Angela Ro Ro assinou contrato com agravadora Som Livre, do grupo Globo. E seus seis primeirosdiscos, lançados a partir do fim dos anos 70, originalmente pelaPolyGram, hoje Universal, acabam de sair em CD.A cantora, compositora e pianista carioca caiu num quasecompleto esquecimento, nos anos 90. Fez apenas um disco, em 1993, do qual pouco se soube. Em 2000, a gravadora alternativa JamMusic, de São Paulo, resgatou-a para o CD Acertei noMilênio. Um trabalho menor, em que Angela faz a apologia deseu novo modo de vida: nada de álcool, muita ginástica, etc.O título era trocadilho com o do samba de brequeimortalizado por Moreira da Silva, Acertei no Milhar. Eratambém, compromisso de comportamento sóbrio para o século acomeçar.Musicalmente, Angela Ro Ro foi brilhante em seus doisprimeiros discos. A voz rouca tratava de males de amor em cantobluesy, como uma Maysa (há, ainda, uma semelhança física, masAngela jamais gostou da comparação) que trocasse o samba-cançãopelo gênero aparentado norte-americano.Mas as desditas amorosas de Angela eram menosconvencionais. Homossexual assumida, falava de paixão pormulheres e jamais escondeu o gosto pelo álcool - esses eram,embora não só, elementos de sua música.O primeiro disco, Angela Ro Ro, saiu em 1979, todocom músicas e letras dela, e trouxe três grandes sucessos:Tola Foi Você, Mares da Espanha e, canção que virou seuprefixo musical, Amor, Meu Grande Amor. Mas o disco é todomuito bom e tem uma obra-prima que, mais complexa, caiu menos nogosto popular, Me Acalmo Danando.O disco tinha produção de Paulinho Lima e RicardoCantaluppi, com arranjos de Antônio Adolfo e da própria Angela,que começou a gostar de piano ouvindo o vizinho de prédioLuizinho Eça praticar, andar acima.Angela Maria Diniz Gonsalves (com "s", mesmo) virou RoRo por causa da risada rouca. Escreveu, na capa do disco Sónos Resta Viver, de 1980, o segundo da carreira: "Meu queridoou minha querida, toda e qualquer coisa nessa vida, por maior odisparate aparente, tem sua lógica e sua razão de existir (...)Vou da birita à nicotina, da rejeição à esperança, sendo que meumaior vício é a felicidade."O grande sucesso do disco foi a canção-título, mas orepertório tinha ainda Bárbara, canto de amor homossexual deChico Buarque e Ruy Guerra (da peça Calabar), e Tango daBronquite (Fumando espero...), além do bolero-brega FicaComigo Esta Noite, de Adelino Moreira.A cantora recolheu-se um tanto em Escândalo!, de1981. A faixa-título foi presente de Caetano Veloso, referênciaà vida publicamente turbulenta da moça. Outro desabafo musical,menos bonito, é Tão Beata, tão à-Toa, de Naila Skorpio eGuto Graça Melo.Mais um grande sucesso veio com Simples Carinho, deJoão Donato e Abel Silva, canção que deu título ao disco de 1982e trazia, ainda, Demais, de Aloysio de Oliveira e Tom Jobim- um sucesso de Maysa, pois é.Em 1984 saiu A Vida É Mesmo Assim, com a obra-primaNenhum Lugar, de Sueli Costa e Tite de Lemos, mais Você nãoSoube Amar, de Carlos Guinle e Dorival Caymmi, e algumasbobagens comerciais da lavra de Léo Jayme. Mesmo assim, um bomdisco, o que o de 1985, Eu Desatino, não conseguiu ser,apesar da bela faixa de encerramento, Musa Amada, de Angela:"Eu vivo com a grandeza de uma sinfonia." Música, maestro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.