Sade, a musa nigeriana, está de volta

Sade está de volta, quinze anos depois de vender 6 milhões de cópias do disco Diamond Life e oito anos depois de lançar seu último trabalho de estúdio, Love Deluxe.A cantora nigeriana retorna com Lover´s Rock, em que explora novamente a mistura de r&b e jazz que marcou sua carreira nos anos 80 e 90. Com a música cada vez mais influenciada por elementos delicados da bossa nova e dos gêneros eletrônicos, o timing não poderia ser melhor.A cantora de 41 anos criada em Londres (onde estudou moda e trabalhou rapidamente como modelo) estreou na música há quase 20 anos, como vocalista de apoio do grupo Pride. Ela começou a fazer parcerias com o guitarrista e saxofonista da banda, Stewart Matthewman, com quem acabou formando seu grupo definitivo, ao lado do tecladista Andrew Hale e do baixista Paul Denman.O primeiro disco, Diamond Life, lançado em 1984, virou sucesso instantâneo na Inglaterra e, no ano seguinte, nos Estados Unidos e no resto do mundo. Os hits Smooth Operator e Your Love Is King - cuja sonoridade se diferenciava de todo o pop que estava sendo feito na época - transformaram Sade em uma estrela capaz de emocionar o estádio de Wembley no Live Aid.Promise, de 1985, estreou no primeiro lugar da parada americana graças a Sweetest Taboo e Never as Good as the First Time. No ano seguinte, Sade fez uma participação no filme Absolute Begginers, de Julien Temple, e apareceu na trilha sonora ao lado de David Bowie.Avessa a badalações, Sade se transformou na musa cool no mundo pop, marcando grandes intervalos entre seus álbuns. Ela esperou três anos para lançar Stronger Than Pride e mais quatro para Love Deluxe, seu último trabalho de estúdio até agora."Minhas composições têm a ver com a minha vida, com o que vejo e ouço, então preciso de grandes períodos de fermentação entre os discos", diz ela. Sade deve ter visto e ouvido bastante nos últimos anos: Lover´s Rock tem canções sobre racismo (Immigrant e Slave Song) e amor (By Your Side e After All This Time), além de influências de hip hop (Flow) e gospel (It´s Only Love That Gets You Through).Apesar de apostar discretamente em outras direções, a banda não deixa de lado sua marca-registrada, a mistura cool de r&b e jazz com toques de bossa nova. "Acho que as pessoas respeitam o fato de que não tentamos fazer nada além do que sabemos fazer bem", diz ela. Sade não deve ter dificuldades de reconquistar seu público ao redor do mundo e ao mesmo tempo ser descoberta por uma nova geração que já é fã de Bebel Gilberto e k.d. lang.De acordo com ela, Lover´s Rock foi um trabalho especial para a banda. Todos os músicos fizeram outros trabalhos desde 1992 e voltaram a trabalhar como uma "família", fazendo gravações na Espanha e no interior da Inglaterra. As sessões de gravações evoluíram de jam sessions entre eles e boa parte dos vocais foram gravados ao vivo, com a banda tocando atrás da cantora.A experiência, é claro, fez com que ela decidisse voltar a fazer apresentações ao vivo. Sade começa uma longa turnê mundial em março, para promoção do álbum. A reclusa cantora também está mais disposta a divulgar seu trabalho, tendo aparecido em vários programas de TV nos Estados Unidos recentemente e lançado seu web site oficial . Bem-vinda de volta!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.