Royal Opera House de Londres terá peça criada pelo Twitter

Usuários do site de redes sociais enviam frases para o enredo da ópera; primeiro ato já está pronto

Efe,

11 de agosto de 2009 | 10h48

A Royal Opera House de Londres apresentará uma ópera criada através da rede social virtual Twitter, onde o usuário pode enviar uma mensagem de até 140 caracteres que poderá ser incluída no roteiro da obra.

 

A ideia, que faz parte de uma iniciativa para evolver mais ativamente os adeptos ao processo criativo da música, já tem sua primeira cena, da qual alguns fragmentos serão divulgados em setembro.

 

O roteiro será coletivo e a música será da compositora Helen Porter, mas também haverá algumas peças populares, informou Alison Duthie, responsável pelo projeto cibermusical. A obra ainda não tem título e conta a história de um homem que foi sequestrado por um grupo de pássaros, segundo o blog da Royal Opera House.

 

Alison afirmou que a obra final será "a ópera do povo e a maneira perfeita para todos se envolverem na criação da ópera como a melhor maneira de contar histórias". "Devemos esperar o inesperado. Quem sabe como evoluirá a história? Mas continue 'twittando' e você poderá interpretar algum papel em nossa ópera", convidou Alison aos usuários da rede.

 

As frases escolhidas entre as enviadas pelo Twitter para o primeiro ato já foram divulgadas. No site, cada postagem dos usuários pode ter no máximo 140 caracteres.

 

"William está preso em uma torre, após ser sequestrado por um grupo de pássaros em busca de vingança, depois de ter matado um de sua espécie. Hans prometeu resgatá-lo. A Mulher Sem Nome foi para seu laboratório de bioquímica para elaborar uma poção que permita o homem falar com os pássaros", é o trecho formado para o primeiro ato.

 

Para enviar frases para a ópera, basta acessar o site Twitter e acessar o perfil da Royal Opera House pelo endereço twitter.com/RoyalOperaHouse.

Tudo o que sabemos sobre:
óperaRoyal Opera HousemúsicaTwitter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.