Matt Sayles/Invision/AP
Matt Sayles/Invision/AP

Rosalía está 'muito animada' com turnê mundial que passará pelo Brasil

Cantora espanhola trabalhou por três anos em seu aclamado terceiro álbum de estúdio, ‘Motomami’; confira algumas canções

Sigal Ratner-Arias, Associated Press

21 de abril de 2022 | 15h00

Rosalía passou três anos trabalhando em seu aclamado terceiro álbum de estúdio, Motomami. Agora ela está pronta para levar sua música para uma turnê mundial, com paradas em sua terra natal, Espanha, depois México, Europa e no famoso Radio City Music Hall de Nova York. No Brasil, tem show marcado para dia 22 de agosto, em São Paulo, no Tokio Marine Hall, e os ingressos começam a ser vendidos nesta sexta, 22, a partir das 10h, no site www.eventim.com.br e na bilheteria da casa. 

A sensação - vencedora do Grammy e oito vezes do Grammy Latino - anunciou sua Motomami World Tour, que terá 46 shows em 15 países a partir de 6 de julho em Almeria, Espanha, e inclui paradas em Barcelona, Madri, Cidade do México, Santiago do Chile, Buenos Aires, Bogotá, Nova York, Toronto, Chicago, Los Angeles, Miami, Milão, Amsterdã, Londres e muito mais, antes de se encerrar em Paris no dia 18 de dezembro.

“Não tem um dia em que eu não ensaie, não tem um dia em que eu não estude”, disse a cantora e compositora de 29 anos à Associated Press em Miami, enquanto se prepara física e emocionalmente para passar quase seis meses na estrada.

“Mas estou muito animada. Sempre gostei muito de viajar e, no final, sinto que viajar para outros países também me inspira, me faz compor música, porque espero continuar compondo durante a turnê”, acrescentou.

Motomami, que vem depois de El Mal Querer, de 2018, foi produzido entre Barcelona, Miami, Porto Rico, República Dominicana, Nova York e Los Angeles, em grande parte durante a pandemia.

Com sua combinação de flamenco, reggaeton, bachata, salsa, electro-pop e hip-hop, trazendo músicas como Saoko, La Combi Versace (com Tokischa), La Fama (com The Weeknd) e Chicken Teriyaki, o álbum eclético de 16 faixas estreou em primeiro lugar no Global Album Chart do Spotify (uma conquista inédita para artistas espanhóis), e marcou a estreia mais forte de álbuns latinos na Billboard até agora este ano.

Quando questionada sobre suas influências e inspirações musicais, a primeira coisa que Rosalía menciona é que cresceu cercada pela natureza.

“No final, a natureza é a criação mais brilhante de Deus. Ela vem sendo uma referência para mim, ou melhor, uma inspiração. Ela me marcou desde pequena”, disse a artista, nascida em San Cucufate del Valles, município localizado na região de Valles Ocidental, na província de Barcelona.

Em seguida, ela destaca as grandes mulheres de sua vida: “Minha avó me levava à missa e isso me marcou. Minha mãe sempre foi uma referência. Ela é uma mulher muito forte, uma mulher muito independente. E minha irmã, que é artista visual e sempre me inspirou muito também, uma mulher muito inteligente”.

“E, bom, minha mãe sempre me fez ouvir Nina Hagen, Patti Smith, Janis Joplin, mulheres que criam”, continuou ela. “Minha mãe me mostrava todas essas coisas porque ela realmente gostava de música, então tudo isso é uma referência para mim”.

Transferir um projeto tão ambicioso e variado como Motomami para o palco tem sido “um desafio muito emocionante” para Rosalía. Ela disse que esse show no palco será muito diferente de sua turnê de 2019 com El Mal Querer, que também teve mais de 40 shows em ambos os lados do Atlântico.

Naquela ocasião, em Nova York, ela se apresentou por duas noites no Webster Hall. Desta vez, será no enorme e icônico Radio City Music Hall, nos dias 18 e 19 de setembro.

“Duas noites! Duas noites! Mal posso esperar. Nova York é uma das minhas cidades favoritas. Espero que em algum momento da vida eu possa morar lá, mas por enquanto pelo menos eu posso ir lá cantar”, disse a cantora por trás de sucessos como Con Altura com J Balvin, TKN com Travis Scott e La Noche de Anoche com Bad Bunny. Ela disse que está animada para voltar a cantar em seu país natal, onde tem 12 shows agendados, assim como no México e na Argentina, “porque o público desses lugares me dá muito amor, é um público muito dedicado, que traz o melhor de mim”.

Ela também está ansiosa para chegar ao San Juan Coliseum, porque muitos dos artistas que inspiraram o projeto - como Daddy Yankee, Tego Calderón, Zion e Don Omar - lotaram o local, e também ao La Romana na República Dominicana, “porque também tem bachata em ‘Motomami’”. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

 

Tudo o que sabemos sobre:
músicaRosalíaGrammyGrammy Latino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.