Rosa Passos está de volta e lança álbum de voz e violão

Silêncio, por favor. Rosa Passos está de volta.Reconhecida como a melhor seguidora de João Gilberto, ela vemcom um punhado de sutilezas num álbum só de voz e violão, tocadopor ela própria. "Rosa", distribuído pela Universal, é seuprimeiro projeto inteiramente nesse formato numa carreira quesoma 13 álbuns (15 com duas compilações). Além de relerclássicos de Tom Jobim, Garoto, Chico Buarque, João Donato e atéRoberto e Erasmo Carlos, ela se dedica a interpretar cançõespróprias e inéditas, como havia tempos não fazia, guardadasdesde a década de 80. "Tenho muitas canções, que posso ir gravando aospouquinhos. Mas a música brasileira tem tanta coisa boa, que édifícil escolher entre Tom, Chico, Donato", diz Rosa. Baiana de nascimento, ela é contratada de uma gravadoraamericana (a Telarc), tem um manager espanhol, mora em Brasília,mas vive mais no exterior fazendo shows do que aqui. Situaçãotípica de artistas brasileiros refinados, especialmente os maisligados à bossa nova e ao jazz, como é o caso dela, que nãoencontram espaço para se expandir no império da vulgaridade. "Aprendi isso com João" A ladainha é antiga, desde Flora Purim até Luciana Souza mas hoje é preciso muito mais reza brava. E Rosa não é dechorar pitangas nem guarda ressentimentos. "Sou muito bemresolvida em relação a isso. Mesmo sendo brasileiro, meutrabalho tem uma conotação jazzística, que tem um alcance bemmaior", diz. "Tem artista brasileiro que vai para o exterior comum violão debaixo do braço achando que vai se dar bem. Por issoacaba denegrindo a imagem da música brasileira lá fora. A bossanova, que aqui é tratada como música da noite, tem um silênciodentro dela que muita gente não descobriu. Ela tem uma alma, nãoé tão fácil de cantar, aprendi isso com João." O Gilberto, claro.Amiga de Wayne Shorter e Ron Carter Freqüentadora assídua dos grandes festivais de jazz,Rosa é amiga de Wayne Shorter e Ron Carter, com quem gravou oálbum "Entre Amigos", em 2003. Acaba de voltar de mais uma turnêeuropéia para promover Rosa. Em setembro, a cantora ecompositora completa dez anos de carreira internacional e voltaa se apresentar em São Paulo - nos dias 31 de agosto e 1º desetembro, no Sesc Pompéia - depois de cinco anos. Em fevereiro passado, sozinha ao violão, fez umpré-lançamento de "Rosa" na sala Zankel do sofisticado CarnegieHall (Nova York), com lotação esgotada três semanas antes doshow. Seu prestígio internacional vem crescendo desde a turnê de"Obrigado, Brazil" (2003), projeto do violoncelistafranco-chinês Yo-Yo Ma, que a apadrinhou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.