Roni Size volta ao País com seu Reprazent

De Bristol, na Inglaterra, Dynamite MC saúda a reportagem da Agência Estado com perguntas em português. "E aí como vai? Está falando de onde? Rio ou São Paulo?" Respondida a procedência, a voz hip hop-ragga do projeto drum´n´bass estelar Roni Size Reprazent volta à língua de Shakespeare, sem antes mandar algumas outras palavras, digamos assim, impublicáveis. "Foi o que eu aprendi com as garotas maravilhosas e com os freaks do bar do Lov.e (casa noturna paulistana)." O português instrumental de Dynamite é fruto de outras três passagens do MC pelo Brasil. Nessas ocasiões, ele veio soltando o verbo enquanto os DJs Die, Roni Size e Krust detonavam, em separado, as turntables.O que os brasileiros verão desta vez é a totalidade do projeto musical composto, além dos nomes acima, pelo DJ Suv, o contrabaixista Si John, o baterista Rob Merrill e a ótima cantora Onallee. "É totalmente diferente das discotecagens que fizemos por aí, o show tem músicos tocando ao vivo e uma possibilidade de improvisação muito maior. Posso mudar completamente a estrutura das letras. Além disso, há quatro dos maiores DJs ingleses reunidos num só palco." A reportagem conferiu um dos shows do grupo na Flórida e a experiência é, de fato, marcante.A apresentação no Brasil será calcada no repertório do álbum mais recente, In the Mode (2000), que traz consigo uma grande influência do rap, com direito à participação de Method Man, do Wu-Tang Clan, e Rahzel, impressionante beat-box do The Roots. "A cultura hip hop está impregnada na música que fazemos. Essa cultura foi a que notabilizou o MC, o DJ, osscratches, o vinil e o canto free style", enumera.Para Dynamite, o termo drum´n´bass não quer dizer muita coisa. Ele prefere chamar a música de Roni Size Reprazent de jungle (denominação que alguns teóricos do gênero consideram racista. Jungle quer dizer selva). "Fazemos jungle, cara. Drum´n´bass é criação da mídia, dos vendedores de disco e essahistória de racismo é uma grande bobagem. Sou negro e faço jungle na selva inglesa."A exemplo dos amigos de Reprazent, o MC prepara um álbum-solo. Ele conta que está na fase de produção e que o primeiro rebento completamente autoral não tem nome ainda. "Estou trabalhando as faixas, elas terão um pouco de garage, hip hop e jungle", avisa. O big boss Roni Size segue na mesma batida e está enfurnado também no estúdio concebendo o que será o terceiro disco do combo drum´n´bass (ou seria jungle?). "Desse eu não posso falar muito a respeito." No desvio, Dynamite aproveita para dissipar a aura de temperamental e soturno do DJ e produtor. "Size é um cara muito positivo que não pára de ter idéias nunca. O problema é que, às vezes, as pessoas confundem a timidez dele com arrogância."

Agencia Estado,

23 de outubro de 2001 | 19h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.