Ron Wood vai contar a história dos Stones

Há alguns anos, quando Mick Jagger decidiu escrever sua autobiografia, precisou abandonar o projeto porque sua memória não o ajudou. Agora é a vez de Ron Wood, o guitarrista dos Rolling Stones, contar a história do mítico grupo de rock inglês que está novamente no topo das paradas de meio mundo como seu novo álbum A Bigger Bang. Segundo o jornal britânico The Independent, Wood assinou um dos maiores contratos editoriais da história do rock (fala-se em US$ 1,5 milhões) com a editora Mac Millan. "Ronnie tem uma memória de elefante. No livro haverá várias revelações, pois é uma bela história a que ele tem para contar", disse o agente literário de Wood, Eddie Bell, revelando que o contrato foi assinado sob grande sigilo há alguns meses. O livro cobrirá toda a vida do artista e abordará os momentos mais controversos da história dos Stones, ainda que Wood não tenha feito parte da banda nos anos em que eram notórios não somente por sua música, mas pelo estilo de vida desregrado. A carreira musical de Wood começou na banda Thunderbirds, que fazia covers de artistas norte-americanos, depois integrou os grupos The Creation e Jeff Beck Group, desfeitos em agosto de 1969. Na seqüência, Wood começou a fazer parte da banda The Faces, onde permaneceu até 1976 quando entrou para os Stones, substituindo Mick Taylor. Portanto, ainda estava de fora quando, em 1967, Mike Jagger e Keith Richards foram presos por porte de drogas durante uma barulhenta batida policial feita na casa de campo de Richards. Porém, essa parte do relato não é novidade: ela já foi contada por Marianne Faithfull em sua autobiografia, que à época era a namorada de Jagger, e que foi encontrada nua quando a polícia chegou na casa. Wood, além da guitarra, expressa também sua criatividade através da pintura. Suas telas são notadamente musicais: os temas escolhidos para a maioria desses trabalhos são seus colegas rockstars, ou ainda auto-retratos. O livro segue na esteira da biografia oficial do grupo, lançada no ano passado para comemorar seus 40 anos de carreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.