Romulo Fróes lança seu 5º disco autoral e faz show em São Paulo

Cantor resgata episódio dos urubus na Bienal 2010

Paula Carvalho, O Estado de S. Paulo

01 de outubro de 2014 | 19h00

O último trabalho de Romulo Fróes como assistente do artista plástico Nuno Ramos foi ruidoso. A instalação Bandeira Branca levou três urubus de cativeiro para dentro da Bienal de São Paulo, em 2010. Apesar do cuidado com as aves, protestos começaram já antes da abertura. O ápice da fúria, que virou o tema da semana nas redes sociais, foi quando um homem cortou a rede que isolava a obra e pichou “Liberte os urubu” (sic). 

Em meio à repercussão de Bandeira Branca, que acabou sem os urubus, Romulo e Nuno compuseram Barulho Feio. A música também é título do disco que o cantor lança nesta quinta-feira no Sesc Vila Mariana. Na capa, a foto relembra a instalação na Bienal. Naquela época, diz, eles se sentiram limitados por uma “proibição burra, de gente que fala as coisas sem pensar”. “Os bichos estavam tão bem que se reproduziram, inclusive. Mas, nas redes sociais, as pessoas não se escutam. Barulho Feio fala também disso.”

Romulo diz que seu 5.º álbum é recheado de “canções-manifesto” que tratam da própria música e da ideia, lançada por Chico Buarque em 2004 e debatida entre críticos desde então, de que a canção morreu. A temática não é nova para ele. Músicas como Não Há Mas Derruba, Ó, Barulho Feio e Como Um Raio (“Dizem que deixei no violão/O que em mim tinha de bom/E que eu já nem sei cantar/Mas atenção, escuta o rádio/Minha canção vai acender o teu silêncio como um raio”) têm paralelo com outras de discos antigos, como Muro, Para Fazer Sucesso ou Saiba Ficar Quieto

Desde que percebeu a força da geração atual de músicos paulistanos, Romulo é um dos que passaram a defender o bando com mais eloquência, em textos e entrevistas. Ele enfatiza que não se trata de um grupo homogêneo e, sim, dividido em “turmas - os mais pops, os mais fofos, os mais engajados”. A sua tem Kiko Dinucci, Rodrigo Campos, Marcelo Cabral (os quatro formam o Passo Torto), além de Guilherme Held, Thiago França, Juçara Marçal e outros. “Dizem que nos diferenciamos por um som mais arrojado, mas, na verdade, acho que somos muito ligados à canção e à composição. Não cantamos uma música por cantar.”

França, Held e Cabral tocam no disco. Os instrumentos compõem a plástica do barulho, caos, incomunicação. A ideia era que o seu violão (que não tocava desde Calado) viesse à frente do sax, baixo acústico e guitarra, que aparecem mais como uma “sonoplastia”, como brinca, junto a um áudio captado no centro de São Paulo. “Esquisito, no limite até chato”, o disco tem respiros nas canções à capela e no dueto com Juçara Marçal, Espera, que tem Rodrigo Campos no violão. “Quis fazer algo que captasse a atenção das pessoas. Ele incomoda, se você estiver ouvindo enquanto está vendo seus e-mails, vai querer trocar por música ambiente”, provoca.

Uma outra característica da sua “turma”, apesar de lançar muitos discos (trabalhos solo, Metá Metá, Passo Torto e em bandas de outros artistas), é a preocupação com um jeito de “não se perder” no meio de tanta produção, criando um estilo “muito radical”. “Hoje em dia, temos pouca bala na agulha. As pessoas não têm mais tempo de ouvir música”, reflete. 

Desde que lançou Calado e ganhou o rótulo de “sambista-indie”, já são dez anos. O disco será relançado, ainda neste ano, em vinil. “De lá para cá, muita coisa mudou. Antigamente era estranho eu me vestir daquele jeito e lançar sambas, mas hoje até rappers fazem samba, tudo é música brasileira, é normal. Não tem mais fazer samba ou fazer rap.”

RÔMULO FRÓES

Sesc Vila Mariana. Teatro. Rua Pelotas, 141, tel. 5080-3000. Quinta, às 21 h. R$ 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.