Rolling Stones nega que deixará EMI, mas saída é provável

Apesar de boatos, porta-voz da banda afirma que não existe 'contrato para gravações com a Live Nation'

Mike Collett-White, da Reuters,

16 de junho de 2008 | 12h23

Os Rolling Stones desmentiram uma reportagem que dizia que eles abandonariam a gravadora EMI para assinar com a promotora de shows Live Nation. Contudo, especialistas da indústria fonográfica acreditam que o grupo britânico pode romper em breve com a gravadora, que sofre para manter seus maiores artistas. "Não estamos negociando nenhum contrato para gravações com a Live Nation", disse nesta segunda-feira, 16, Bernard Doherty, porta-voz dos Rolling Stones em Londres, lendo um breve comunicado. A EMI não estava disponível para comentar. O jornal semanal Observer disse no domingo que os Stones estão prestes a terminar o contrato de mais de 30 anos com a EMI e estão "perto de um acordo com a Live Nation". O jornal citou "fontes" não identificadas. A reportagem dizia ainda que a banda, que já vendeu cerca de 200 milhões de discos no mundo, permitiria que a Live Nation vendesse seus discos anteriores, tirando da EMI cerca de 3 milhões de libras (US$ 5,9 milhões) por ano. A Live Nation já assinou contratos com Madonna e Jay-Z, de US$ 120 milhões e US$ 150 milhões, respectivamente. Os negócios da empresa vão bem porque os artistas querem mais do que os contratos de gravação tradicionais, se beneficiando dos crescentes lucros das turnês e merchandising. As vendas de discos têm caído devido à pirataria. A EMI perdeu dois de seus principais artistas em 2007 - Paul McCartney e Radiohead. O ex-Beatle assinou um contrato com a rede de café Starbucks e o Radiohead ofereceu seu disco online, no esquema "pague o quanto quiser". "É provavelmente seguro dizer que a banda (Rolling Stones) vai abandonar (a gravadora)", disse uma fonte ligada à situação, que pediu para não ser identificada. Eles lançaram a trilha sonora do documentário Shine a Light, de Martin Scorsese, pela rival Universal. Segundo a fonte, este é um sinal de que o rompimento está próximo. A EMI foi adquirida pela Terra Firma, empresa de private equity impopular entre alguns artistas da gravadora e que anunciou um corte de 2 mil empregos em janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Rolling StonesEMILive Nation

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.