Rolling Stones criticam censura no Super Bowl

Os Rolling Stones consideraram "ridícula" e "desnecessária" a censura imposta em duas de suas músicas durante o show do intervalo do Super Bowl, final da liga de futebol americano, no último domingo."Os Rolling Stones acharam que a censura de suas músicas foi absolutamente ridícula e desnecessária", disse hoje uma porta-voz da banda, Fran Curtis, assegurando que "houve muito debate no camarim, e que o grupo não estava nada contente com o que acontecia".A declaração de Curtis acontece um dia depois de um porta-voz da NFL, organizadora do evento, revelar que a banda sabia que suas canções seriam censuradas durante a transmissão pela televisão.As duas canções censuradas foram Start Me Up, que teve retirada a frase "you make a dead man come" ("você faz um morto gozar", em português) e Rough Justice, da qual desapareceu a palavra cock, sinônimo pejorativo para pênis.A única música que a banda britânica cantou na íntegra foi Satisfaction.A transmissão do Super Bowl - que consagrou o Pittsburgh Steelers como campeão, ao bater o Seattle Sehawks por 21 a 10 -, é o evento esportivo televisionado mais assistido nos Estados Unidos.Há dois anos, um seio descoberto de Janet Jackson durante sua atuação no mesmo show fez com que alguns meios de comunicação lançassem uma forte campanha contra o que taxaram de "indecência".

Agencia Estado,

08 de fevereiro de 2006 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.