Rolando Boldrin está de volta

O cantador, compositor, ator, declamador de poemas e contador de histórias, ou "causos", está de volta com o projeto Vamos Tirar o Brasil da Gaveta, com produção artística de Boldrin e de sua assistente Patrícia Maia. Seu primeiro produto é uma caixa com oito CDs, que ele lança nesta quarta, com festa na Casa da Fazenda do Morumbi, só para convidados. Os próximos passos são um DVD com duas horas reunindo momentos marcantes dele na tevê e um livro de "causos" e poemas regionais, como aqueles que recitava no ar. Na pauta ainda está um programa de rádio diário de cinco minutos para ser distribuído em território nacional. Boldrin tem até um convite para voltar para a televisão, mas estuda a proposta com cautela. Paralelamente a isso, está gravando um disco em parceria com Renato Teixeira, com lançamento previsto também para 2005 pela gravadora Kuarup. O repertório se equilibra entre clássicos populares e músicas inéditas de ambos. Composição mais conhecida do interiorano de São Joaquim, o tema do Som Brasil, Vide Vida Marvada - que já foi regravado por várias duplas sertanejas e até em ritmo de rock -, vai ser um dos pontos-chave do DVD. Mixar imagens de sua primeira apresentação, no programa Fantástico, com outras mais recentes vai dar a idéia de continuidade. Causos de Gaveta, o livro, terá histórias novas, outras que ele já contou, experiências próprias. Faz cerca de oito anos que Rolando Boldrin se afastou da televisão, onde fez sucesso com programas reveladores como Som Brasil e Empório Brasileiro, que desde 1981 transitaram entre Globo, Bandeirantes, SBT e CNT. Mudaram as emissoras e os nomes, mas o formato foi sempre o mesmo, buscando a diversidade e a beleza cultural escondida do País. Não apenas o seu aspecto rural, mas o geral e criativo.Apesar de afastado da mídia, Boldrin continuou esses anos todos trabalhando, mas de maneira "acanhada", como costuma dizer. Com a ajuda de amigos famosos - como Hebe Camargo, Tony Ramos, Antônio Fagundes Paulo Betti - e do bairro Granja Viana, onde mora em São Paulo, mantém uma fundação que cuida de crianças carentes desde 2000. Foi no ano em que gravou o CD mais recente. Em 1999 foi premiado no Festival de Brasília, por sua autuação em O Tronco, de João Batista de Andrade. Com a criação de um canal de comunicação com o público em seu site começaram as cobranças. Um dos aspectos que Boldrin faz questão de frisar sobre sua "gaveta de CDs" é a ênfase no seu lado sambista, que poucos conhecem. O que prevalece é a imagem do caipira, contador de "causos" e cantador de modas de viola. Mas um desses CDs é dedicado ao sambas urbanos. Em outro ele recria o repertório e a sonoridade de quatro grandes grupos vocais: o Bando da Lua, os Anjos do Inferno, os Vagalumes do Luar e os Vocalistas Tropicais. É um álbum praticamente inédito porque foi gravado na RGE, que fechou antes de distribuir o disco. Outro projeto previsto no contrato era de sambas de breque de Jorge Veiga e Moreira da Silva e outro de marchinhas de carnaval. Este é o Boldrin que agora sai da gaveta com um entusiasmo juvenil. Serviço - "Vamos Tirar o Brasil da Gaveta". Caixa com 8 CDs de Rolando Boldrin. Gravadora InterCD. A partir de R$ 110

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.