Rock in Rio voltará ao Brasil em 2011 com cem atrações

Entre os artistas nacionais já confirmados estão Ed Motta, Pitty, Capital Inicial, Jota Quest e Frejat

Roberta Pennafort,

16 de agosto de 2010 | 17h39

O organizador do Rock in Rio, Roberto Medina, anunciou na tarde desta segunda-feira, 16, que a edição 2011 do festival, de volta ao Rio depois de dez anos - quatro edições em Lisboa e duas em Madri - será realizada nos dias 23, 24, 25 e 30 de setembro e 1º e 2 de outubro.

 

Pelo site www.rockinrio.com.br, o público poderá votar nos músicos aos quais gostaria de assistir. O elenco deverá ter cerca de cem nomes,  entre eles os já confirmados Ivete Sangalo, Pitty, Frejat, Marcelo D2 e os grupos Capital Inicial, NX Zero e Jota Quest.  Estes e outros cantores participaram da cerimônia em que foi assinado o protocolo de realização do Rock in Rio por Medina e pelo prefeito Eduardo Paes.

 

Eduardo Paes, Roberto Medina e artistas durante apresentação do projeto

 

Parte deles participou ontem da cerimônia em que foi assinado o protocolo de realização do festival por Medina e pelo prefeito Eduardo Paes. A intenção dos dois é montar um Rock in Rio a cada dois anos. Dois dias do festival deverão ser dedicados ao pop, dois ao rock, um ao heavy metal e um aos ritmos eletrônicos.

 

Sobre os convidados, Medina contou que artistas internacionais já estão sendo sondados. "Sonho com Lady Gaga, Shakira, Iron Maiden, Radiohead e Guns N’ Roses", disse. "Era estranhíssimo não estar no Rio". Os ingressos deverão custar R$ 180 por dia (R$ 90 a meia para estudantes). O local escolhido é bem menor do que a Cidade do Rock original, em Jacarepaguá, e fica quase em frente a ela: a capacidade é para 120 mil pessoas por dia (na última noite do Rock in Rio 3, em 2001, a mais concorrida, compareceram 250 mil).

 

Roberto Medina apresenta arena do Rock in Rio

 

Com seis dias, será a edição carioca de menor duração. No terreno de 150 mil metros quadrados, que receberá grama artificial, será erguido o Parque Olímpico Cidade do Rock - em 2016, nas olimpíadas, a área será usada pelos atletas que virão à cidade. A prefeitura investirá R$ 40 milhões; a organização, R$ 60 milhões, dos quais cerca de R$ 20 milhões poderão ser incentivados pela Lei Rouanet.

 

O espaço terá, além do Palco Mundo (o principal), um outro, menor, chamado Sunset, destinado a encontro entre bandas, além de um para DJs e até uma área para desfiles de moda, além de uma roda-gigante, lojas, restaurantes e bares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.