Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rock in Rio: Veja o que rolou no penúltimo dia do festival

Guns N' Roses e The Who foram as principais destaques da noite

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2017 | 04h34

O verdadeiro templo do rock! Assim pode ser classificado este penúltimo dia do Rock in Rio. Com shows estrondosos, The Who e Guns N' Roses fizeram apresentações recheadas de clássicos. Quem abriu os trabalhos no Palco Mundo, entretanto, foi a banda brasileira Titãs. Com um rock moderno e bem arejado, o Incubus também teve uma performance segura. No Palco Sunset, o destaque ficou por conta do Cidade Negra & Maestro Spok & DigitalDubs. Juntos, eles fizeram uma bela homenagem a Gilberto Gil. O cantor norte-americano Ceelo Green também fez uma performance cheia de energia com seus sucessos cheios de força.

Veja como foi o sexto dia de Rock in Rio

Quabales & Margareth Menezes

O Palco Sunset apresentou o grupo percussivo Quabales, projeto social baiano que forma jovens músicos e teve como convidados um alicerce do axé e do samba reggae, Margareth Menezes, e o vocalista do NX Zero, Di Ferrero. A presença dele, inusitada e não anunciada, foi muito aplaudida pelos roqueiros jovens da plateia. Veja como foi.

Cidade Negra & Maestro Spok & DigitalDubs

O Cidade Negra foi protagonista do segundo show deste sábado do Palco Sunset. Com energia, o grupo fez apresentação dedicada a músicas de Gilberto Gil ao lado do maestro e saxofonista Spok e do sound system da equipe Digital Dubs. Mantendo a base das gravações originais e incorporando intervenções de metais e percussão, a performance agitou a plateia, seduzida pelo repertório de sucessos. Veja como foi.

Bomba Estéreo e Karol Conka

Com um amplo respaldo internacional e credenciada em outros grandes festivais mundo afora, a banda colombiana Bomba Estéreo estreou no Rock in Rio com várias camadas de seu som tropical eletrônico. A rapper curitibana Karol Conka dividiu o palco com a banda na maior parte do show, e durante as músicas da MC foi que o público reagiu com mais vigor. Veja aqui. 

CeeLo Green e Iza

Daqui a alguns anos, quando a edição de 2017 do Rock in Rio entrar para a história, dois serão os grupos levados em conta: aqueles que fizeram apresentações épicas na Cidade do Rock, caso de Nile Rodgers, BaianaSystem, Johnny Hooker, Skank e Alice Cooper, e aqueles que caíram no esquecimento. O cantor norte-americano CeeLo Green se encaixa com maestria no primeiro quesito. Quem roubou a cena foi a cantora brasileira Iza, que teve uma participação brilhante e um discurso bastante político. A banda Quabales, que já havia tocado mais cedo no mesmo Palco Sunset, com Margareth Menezes, também encorpou o som e fez a combinação funcionar. Veja aqui.

Titãs

Lugar Nenhum, Diversão, AA UU, Televisão, Sonífera Ilha, Cabeça Dinossauro, Homem Primata, Epitáfio, Flores, Bichos Escrotos. Um setlist para levar ao delírio qualquer fã dos Titãs – e fazer cantar praticamente todo brasileiro urbano de 20 e poucos a 50 e poucos anos que tenha crescido com uma TV ligada em casa. Veja aqui.

Incubus

Não faltaram clássicos. No set, canções que qualquer ex-jovem alternativo com aproximadamente 30 anos saberia cantar do começo ao fim. O Incubus, segunda banda a se apresentar no Palco Mundo na noite deste sábado, 23, fez um show bom e correto. A catarse esperada, no entanto, não veio. Tudo porque as  atrações seguintes seriam ninguém menos do que o The Who e o Guns N' Roses. Justificável. O público do Incubus não é o mesmo dos dois dinossauros citados acima. Veja aqui.

The Who

"Fucking, fucking Rio!" -- marque, porque essas foram as primeiras palavras que Pete Townshend falou no Rio de Janeiro como membro ativo e atuante do The Who. Uma das bandas mais importantes da história subiu ao Palco Mundo para apresentar uma lista de sucessos sem igual, a mesma lista que fez surgir um milhão de bandas depois dessa: muitas delas que talvez você goste mais do que o próprio Who, mas que talvez nunca tivessem nascido se esse mesmo Pete Townshend que subiu ao Palco na noite desse sábado não tivesse quebrado sua guitarra num pub lá na metade dos anos 1960. Veja aqui.

Guns N' Roses

Voltar a 2011 era inevitável. A chuva era  torrencial. O som das gotas pesadas batia m nas capas de chuva e criava um zumbido ensurdecedor. E o Guns N' Roses nada de surgir no Palco Mundo da antiga Cidade do Rock. Era a noite de encerramento do festival, na volta ao Rio depois de dez anos. Tudo isso, toda a expectativa existia e a banda demorou o que parecia ser uma eternidade. Veja Aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.