Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rock in Rio: Público grita "Fora, Temer", mas artistas não fazem coro

Segundo a organização do festival, não houve recomendação para que os artistas evitem manifestações de cunho político no palco

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2017 | 22h43

RIO - Em diferentes shows realizados nesta sexta-feira, 15, o grito de "Fora, Temer" ecoou na Cidade do Rock. Ao menos em três deles foi ouvido mais alto: na apresentação de Pablo Vittar, num palco montado pelo banco Itaú, um dos patrocinadores do Rock in Rio, na de Fernanda Abreu, no Palco Sunset, e na homenagem ao samba, também no Sunset.

Os artistas não fizeram coro ao clamor do público, que, em parte, já havia gritado contra o presidente Michel Temer (PMDB) na chegada ao evento, à tarde, quando se aglomerava nos portões para esperar a hora da abertura e era filmado por equipes de TV.

A reportagem do Estado ouviu a organização do festival sobre o assunto, que declarou: não houve recomendação para que os artistas evitem manifestações de cunho político no palco. 

Zé Ricardo, curador do Palco Sunset, disse: "O palco é do artista, ele fala o que ele quiser". A vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina, afirmou: "Não há nada nesse sentido. O Rock in Rio defende a liberdade de expressão".

Ela lembrou que na primeira edição do festival, em 1985, quando o Brasil saía de 21 anos de ditadura militar, os shows foram pontuados por manifestações de caráter político.

 

Mais conteúdo sobre:
Michel TemerRock in Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.