Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Rock in Rio promete recuperar 73 milhões de árvores na Amazônia

As áreas prioritárias são o sul do Amazonas, Rondônia, Acre e Pará

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2017 | 17h20

RIO - A vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina, anunciou na abertura do festival, nesta sexta-feira, 15, uma nova iniciativa para a recuperação de áreas degradadas na Amazônia brasileira, por meio do braço socioambiental Amazônia Live. Foi firmado o compromisso público de resgatar uma área de cerca de 30 mil hectares, ou 73 milhões de árvores. 

"Quando se fala de 'um mundo melhor' (slogan do Rock in Rio), é fácil só falar. Estamos mostrando como fazer. O papel do Rock in Rio é levar isso até quem não está interessado no assunto", disse Roberta.

"É a maior restauração florestal já feita na Amazônia, e ainda precisamos de muito mais", afirmou Rodrigo Medeiros, vice-presidente no Brasil da Conservação Internacional. A entidade é parceira do Rock in Rio, que também trabalha alinhado com o Ministério do Meio Ambiente, o Fundo Global do Meio Ambiente, o Banco Mundial, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e o Instituto Socioambiental (ISA).

Das 73 milhões de árvores, 3 milhões já estavam prometidas pelo festival. As áreas prioritárias são o sul do Amazonas, Rondônia, Acre e Pará. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.