Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rock in Rio: Maroon 5 faz repeteco, dessa vez para seu público

Banda se apresentou pela segunda vez no festival depois de substituir Lady Gaga

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2017 | 02h05

RIO - A vida, meus caros, está em looping. Daqueles que fazem o sujeito pensar: calma, que dia é hoje? 

Pois Maroon 5 (e o Rock in Rio) promoveu essa experiência, escancarada, de confusão mental. 

Foi breve, porém. Estamos na noite de sábado, 16, o dia no qual o Maroon 5 estava programado para tocar. A presença deles na sexta, 15, foi um acaso - Lady Gaga, com fibromialgia, cancelou sua performance em cima da hora e Adam Levine e companhia toparam fazer um show extra.

Então, se você acha que os dois shows foram iguais e que não há nada mais a ser acrescentado, por favor, clique aqui e leia a crítica escrita pelo mesmo reportar, na noite passada. 

A ideia aqui é provar o ponto de que a arte é mutante, transforma-se porque é comunicação. E, nesse caso, ela varia, de acordo com quem a envia e quem a recebe. A mensagem, seja a mesma ou não, passa por filtros dos dois lados e jamais será exatamente a mesma. 

O Pedro que escreveu a respeito do Maroon 5 na noite de sexta não é o mesmo desde sábado. Quem está lendo esse texto nesse momento, também não. 

E, principalmente, quem está na Cidade do Rock, abarrotada como ainda não havia sido visto, faz diferença. O show ganha pulso quando o público é outro - está empiricamente provado. A apresentação do Maroon 5 na sexta, agora, soa frouxa diante desta. É sempre uma questão de perspectiva. 

As mãos se levantam com mais frequência. Refrãos são gritados com mais intensidade. E "intensidade" é uma boa palavra para transmitir o que ocorreu nesta segunda apresentação do Maroon 5, no segundo do de festival consecutivo. A tentativa de descrever a intensidade vale mais do que se comparar setlists, compara-se performance, apoio, retorno e resposta. 

A voz de Levine merece elogio, aliás, pois se mostrou menos frágil do que poderia ser após a apresentação do dia anterior - esse era um dos temores de quem estava nesse segundo show na Cidade do Rock. 

E é questão de habitat, sem duvida. A vagarosa Sunday Morning foi outra, tal qual várias outras canções executadas, por conta do público. O coro do público, meus amigos, faz a diferença. 

E o Maroon 5, como foi escrito na noite anterior, é uma banda camaleônica dentro desse ambiente do pop. As diferenças, por vezes, são sutis. Pode ser um cover ou uma música ou outra que entra no setlist, mas a performance como um todo muda. 

O amor cantado pelo Maroon 5 também é camaleônico. A dor que se sentia no dia anterior já não machuca tanto, assim como a felicidade. Tudo se transforma, já disse o físico, embora soe como um conselheiro amoroso barato. 

Mas talvez seja esse o ambiente misto no qual o Maroon 5 e suas canções sobrevivem. Porque há algo de raso nas suas canções de amor, mas ainda assim é a elas que muita gente recorre para na tentativa de entender o que sente. E é essa ligação íntima que transforma uma apresentação, principalmente diante do pop açucarado de Adam Levine e companhia. 

Ainda continua sendo tudo aquilo de ontem. Mas o que se transmite e o que se recebe estão em constante transformação. Nem mesmo o pop mais plastificado é imune a isso. 

O Maroon 5 de sábado acaba por ser diferente da banda de sexta. A sensação de looping se quebra, tal qual a vida, que embora pareça se repetir, sempre caminha para frente, como o tempo

Tudo o que sabemos sobre:
Adam LevineMaroon 5Rock in Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.