Travis Schneider
Travis Schneider

Rock in Rio: Maroon 5 (de novo) e Fergie propõem a festa no segundo dia de festival

Acompanhe a cobertura do 'Estado' pelo portal e pelas nossas redes sociais

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2017 | 07h00

E assim segue o primeiro fim de semana do Rock in Rio. E, tal qual a noite de sexta-feira, 15, o pop é quem comanda a a programação da tarde e noite deste sábado, 16, a partir da abertura dos portões, às 14h.

Acompanhe a cobertura do Estado aqui pelo portal e nas redes sociais (FacebookInstagram e Twitter).

Temos duas transmissões ao vivo programadas direto da Cidade do Rock, às 14h30 e às 22h, na página do Facebook Cultura Estadão.

Um dia que tem início com uma homenagem a João Donato, feita por Lucy Alves, Emanuelle Araújo, Tiê e Mariana Aydar, a partir das 15h05, já é possível saber algo: será uma noite para mexer os quadris, mesmo que não queira.

A festa segue com a veterana Blitz, que se rejuvenesce ao trazer para o palco artistas ascendentes da sua geração, como Alice Caymmi e Davi Moraes. A apresentação está marcada para começar às 16h30.

A programação do palco Sunset segue com o encontro de Elza Soares e o rapper Rael, às 18h, chamados para substituir o cantor Charles Bradley. O cantor norte-americaon cancelou sua participação para voltar a tratar um câncer.

+ INFOGRÁFICO: A Nova Cidade do Rock

É a partir das 19h que começa a ação no palco Mundo, o principal do festival. A atração brasileira, costumeiramente a primeira a se apresentar no espaço, é a banda mineira Skank.

Na sequência, a atenção volta ao Sunset, porque o último show da noite pede passagem. Às 20h, um grande nome do R&B norte-americano Miguel recebe o rapper brasileiro Emicida - atualmente, o maior nome do gênero no País.

A partir daí, a noite é do Mundo. Shawn Mendes, mais um dessa quase fábrica de talentos pop que é o Canadá, se apresenta a partir das 21h.

Depois dele, que tem seu cancioneiro ancorado no formato voz e violão, o Rock in Rio se torna uma festa.

A começar pela entrada de Fergie, que volta à música e engatou uma nova turnê (ela, inclusive, se apresentou no Rock in Rio Lisboa 2016).

O encerramento fica com Maroon 5, banda que retorna ao palco principal do Rock in Rio um dia depois de substituir Lady Gaga como a principal atração do festival na noite de abertura. Sim, pois é, teremos Adam Levine em dose dupla no Rio. 

A sexta-feira, na verdade, foi o grande desafio da banda. Afinal, o público que comprou ingressos para a data esperava ter uma noite com a cantora norte-americana depois de 5 anos desde a última turnê dela por aqui. Sofrendo com dores crônicas nos quadris, ela se viu obrigada a cancelar sua participação e o Rock in Rio convocou Levine e companhia. 

E, no palco Mundo, o Maroon 5 mostrou sua capacidade de se adaptar às situações por vezes adversas. Diante de um público que não estava na mão dela, a banda soltou hits radiofônicos na sequência e arrebanhou a multidão. 

Curiosamente, em 2011, eles foram convocados para o festival de última hora, após o cancelamento do Jay Z. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.