Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Rock In Rio: Jota Quest promove 'abraçaço' por dias melhores no festival

Banda abriu as atividades no Palco Mundo nesta sexta-feira, 22, com pop radiofônico certeiro 

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2017 | 20h25

RIO - Às vezes, é bom jogar para a torcida. Um drible na lateral. Um chapéu no meio de campo, distante do gol. Funcionando tão bem quanto as apresentações de Ivete Sangalo, Skank e Frejat no primeiro fim de semana do Rock in Rio, o Jota Quest fez da multidão em frente ao Palco Mundo, à espera das atrações internacionais, pular e cantar em euforia. 

Não houve o impacto do novo, como na quinta-feira, 21, quando a banda brasiliense Scalene foi colocada em uma prova de fogo, para tocar diante de um público numeroso que não era necessariamente o deles. 

O que a Scalene não possui, mas é compartilhado por Jota Quest e as demais atrações citadas na abertura do Palco Mundo, é ter integrado a engenhoca superpoderosa que já foi a indústria fonográfica. Surgidos todos antes da falência do mercado, as bandas gozam de popularidade intocável, mesmo que as engenhocas da música de massa já não forem com a mesma força. 

Scalene enfrentou um inimigo gigantesco - e se saiu bem diante dessa batalha -, mas o desafio do Jota Quest, no dia seguinte, foi infinitamente menor - até mesmo por razão dos anos de estrada e hits executados em alta rotação nas rádios brasileiras. O Jota Quest é uma das últimas bandas do pop nacional a surgir com a força de alcançar multidões. Depois disso, o mercado ruiu e a forma de mensurar sucesso é outra. 

Com isso, não havia como dar algo errado para a trupe liderada por Rogério Flausino. O groove do baixo do PJ a azeitar as canções mais suingadas e o violão de Março Túlio a pavimentar a voz de Flausino, o jogo começa com 2 a 0. Uma partida dentro de casa, mesmo distante das Minas Gerais de onde o grupo veio. 

A lançar um novo projeto, que chegou às lojas físicas e nas plataformas digitais nesta mesma sexta-feira, 22, o grupo escancara a força hipnótica que suas baladas ofereceram. Mãos são jogadas para cima ao som de Só Hoje, como um mar a dançar para lá e para cá, embalados por versos aid não buscam mais do que um simples beijo.

Depois de Dentro de um Abraço, Flausino pediu ao microfone para que as pessoas ali à sua frente se abraçassem. Mesmo se não tenha conseguido os 50 mil pretendidos, ele foi responsável por centenas de trocas de carinho. Ele promoveu seu próprio "abracaço" em tempos de ódio. 

É pelo amor descomplicado o canto do Jota Quest. Sem firulas, metáforas ou palavras em excesso. "Fácil, extremamente fácil", como os próprios cantam em uma de suas mais famosas canções, incluída em medley entre Só Hoje e Do Seu Lado

A catarse, nesse caso, surge na base da leveza e despretensão. Flausino, mesmo, aprendeu a descomplicar seu canto e maneira nos gracejos vocais à favor das melodias e das duas composições. O Jota Quest só tem a ganhar com isso. 

Na busca pela simplicidade das coisas pela a descomplicação da vida, o Jota Quest desata os nós complicados que podem ser uma apresentação para uma centena de milhares de pessoas. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Rock in RioJota Quest

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.