Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Rock in Rio: Groove pesado do Red Hot Chili Peppers encerra o festival

Show da banda, liderada por Anthony Kiedis, teve "porrada" para todos os lados

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2017 | 02h23

RIO - Nenhuma outra banda poderia dar números finais à sétima edição brasileira do Rock in Rio de forma tão brilhante quanto o Red Hot Chili Peppers. O show dos norte-americanos incendiou a Cidade do Rock na madrugada desta segunda-feira, 25, que, mais uma vez, teve lotação máxima. Can't Stop deu início aos trabalhos. Na sequência, ainda veio Snow. A dobradinha mostrou o ímpeto dos quarentões Anthony Kiedis, Flea, Chad Smith e Josh Klinghofer. Está foi a terceira apresentação da banda em um Rock in Rio. Além de 2017, eles também se apresentaram por aqui em 2001 e 2011.

O som do Red Hot simboliza o que de melhor passou pelos palcos nesta  edição do festival. Kiedis mostrou que ainda segura muito bem a onda ao vivo. Com seu tradicional boné preto, ensaiou algumas piruetas desconcertantes pelo ar sem a maior preocupação. Flea, ensandecido como de costume, lançou linhas de baixo enfurecidas. Chad, na cozinha da banda, disparou batidas frenéticas e mordazes. O groove do Red Hot é único. Tal característica tão peculiar os torna imbatíveis até mesmo na versão de I Wanna Be Your Dog, clássico dos The Stooges.

Quando Flea e Josh fizeram um dueto contemplativo de baixo e bateria, antes de Californication, muitos questionaram o que poderia, de fato, sair dali. Josh não é nenhum John Frusciante, mas tem, sim, suas qualidades. O atual guitarrista deixa o som do Red Hot mais pop e conceitual. John seguia a linha mais psicodélica. São duas escolas diferentes. Ambas essenciais para entender porque o Red Hot é tão importante para a história do rock.

* Thirty Seconds to Mars tem tirolesa, açaí e 100 pessoas no palco

O set do grupo foi bem jovem. Poucas coisas de discos mais pegados, como o aniversariante Blood Sugar Sex Magik (1991) e One Hot Minute (1995). As musicas de Californication (1999) e By The Way (2002) foram as favoritas do quarteto. Na balada Under The Bridge, emoção e lágrimas. O mesmo se repetiu em By The Way. Give It Away deu números finais à performance altamente explosiva de um Red Hot que soube moldar seu som sem perder o DNA. O Rock in Rio agradece. Voltem sempre.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Rock in RioRed Hot Chili Peppers

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.