Divulgação
Divulgação

Rock in Rio anuncia Guns N' Roses, Måneskin e Djavan como atrações

Banda americana de Hard Rock volta ao festival com Axl Rose no comando e será headliner do Palco Mundo no dia 8 de setembro

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2021 | 21h48
Atualizado 30 de novembro de 2021 | 22h15

O Rock in Rio acaba de anunciar mais três atrações para agitar a Cidade do Rock entre os dias 2 e 11 de setembro de 2022. O festival de música e entretenimento confirmou o retorno do Guns N' Roses como headliner do Palco Mundo no dia 8 de setembro. No mesmo dia, sobem ao palco o grupo italiano Måneskin, que estreia em solo brasileiro. Já no dia 10, passando pela primeira vez pelo Palco Mundo do Rock in Rio, Djavan abre a noite que já tem confirmado Coldplay como atração principal, além de Camila Cabello e Bastille

A banda de hard rock Guns N' Roses volta ao festival com seus hits épicos como Sweet Child O' Mine e Welcome To The Jungle, além das recém-lançadas ABSUЯD e Hard Skool. A banda fecha a noite no Palco Mundo sob o comando do vocalista Axl Rose, que será acompanhado por Slash na guitarra, Duff McKagan no baixo, Richard Fortus na guitarra, Frank Ferrer na bateria, e os tecladistas Dizzy Reed e Melissa Reese. 

A carreira de sucesso do Guns N' Roses começou em 1985, tendo o primeiro álbum Appetite For Destruction lançado dois anos depois e que se tornou destaque nas paradas de sucesso, levando a banda ao estrelato rapidamente. Com sucessos atemporais, a receita do Guns misturava hard rock clássico com uma pegada mais agressiva e punk, inovando de modo a deixar sua marca. Em 2021, a banda surpreendeu o público ao lançar dois singles após 13 anos desde o seu último trabalho.  

A banda italiana vencedora do Eurovision 2021 Måneskin, uma das atrações mais pedidas pelos fãs da Cidade do Rock, farão apresentação inédita no Brasil. No setlist, claro que vai ter a canção de sucesso Beggin, que já possui mais de 750 milhões de reproduções no Spotify e viralizou no TikTok, se tornando uma das mais reproduzidas na plataforma, além de seus últimos lançamentos como I Wanna Be Your Slave e Mammamia.

Com um som cru, energético e distorcido, tem agradado os gostos contemporâneos e trazido o rock'n'roll de volta ao topo das paradas internacionais. Começaram tocando nas ruas de Roma em 2015. Agora, Victoria (baixo), Damiano (vocalista), Thomas (guitarra) e Ethan (bateria), estão reintroduzindo o rock'n'roll para uma nova geração de ouvintes.

O grupo lançou seu primeiro EP, em 2017, chamado Chosen. Entre as canções do disco, uma regravação de Beggin’ que estourou nas paradas de sucesso. A banda já possui mais de 30 milhões de ouvintes mensais no Spotify e, recentemente, lançou seu terceiro trabalho de estúdio chamado Teatro d’ira - Vol. I.  

Outro estreante no Palco Mundo, o festival traz, no dia 10 de setembro, o cantor Djavan, ícone da música  brasileira e que passa por diversos estilos musicais em seu repertório, entre eles jazz, blues, pop, samba e a música flamenca. Conhecido pelo seu jeito único de cantar e compor, Djavan é o autor de músicas que marcaram toda uma geração. O artista já conquistou quatro vezes o Grammy Latino: o de Melhor Canção em Língua Portuguesa (Acelerou e Vidas Pra Contar), Melhor Álbum de MPB do Ano (Ária), além de um prêmio especial pelo conjunto de sua obra. Neste ano, o cantor foi o escolhido para ser o artista homenageado do Prêmio UBC - Prêmio do Compositor Brasileiro. 

Djavan já gravou com alguns dos maiores artistas brasileiros, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Gal Costa, Maria Bethânia, e fez parcerias internacionais com artistas prestigiados, como Stevie Wonder, Paco de Lucía, David Sanborn e Jorge Drexler. Embora a edição de 2022 marque sua primeira apresentação exclusiva no evento, o cantor e compositor esteve no Rock in Rio em 1991, quando fez uma participação especial no show de Santana cantando Oceano e Soweto.  

 

Tudo o que sabemos sobre:
Rock in Riomúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.