Acervo Estadão
Acervo Estadão

Rock in Rio 1985: Vote nos 10 shows mais memoráveis

Ajude a escolher a melhor apresentação do Rock in Rio 1, o evento que colocou o Brasil na rota dos shows internacionais de maneira definitiva

Redação, O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2019 | 11h00

Entre 11 e 20 de janeiro de 1985, num terreno alagadiço de 250 mil metros quadrados em Jacarepaguá (o equivalente a 12 Maracanãs), no Rio de Janeiro, cerca de 1,4 milhão de pessoas viram aquele que seria o maior festival de rock do País até hoje. O Rock in Rio 1 consolidou o Brasil na rota de shows internacionais, construiu e demoliu reputações, foi palco de shows memoráveis e depois se transformou em uma das maiores marcas de entretenimento do mundo, espraiando sua reputação por palcos da Europa e dos Estados Unidos.

Em 1985, durante dez dias, 14 artistas internacionais e 15 atrações nacionais se apresentaram num ritual de lama e paz & amor. Mas não foi fácil: Roberto Medina, fundador do evento, conta que levou negativas de 200 empresários antes de emplacar a ideia.

Nunca antes na história do País tantos artistas do primeiro time da música mundial estiveram juntos por aqui. Se hoje é fácil ver as atrações internacionais em turnês anuais pelo Brasil, em 1985 não era assim. Ver artistas do porte de Queen, Ozzy Osbourne, AC/DC, Iron Maiden, James Taylor, Yes, Rod Stewart parecia um delírio. Essas e outras performances ficaram marcadas na história do festival, e agora o Estadão quer a sua ajuda para decidir qual delas foi a mais memorável.

AC/DC

Em 11 de janeiro, o público ouviu de perto a potência do sino do vocalista da banda AC/DC, Brian Johnsonn, na canção Hells Bells. O grupo australiano exigiu a presença de um sino de meia tonelada para tocar na noite do heavy metal. O objeto era tão pesado que precisou ser trazido de navio para o Rio de Janeiro. O palco, entretanto, não suportou a estrutura do sino. Para atender as exigências dos rapazes, que só dariam o ar da graça ao público gigantesco, caso o objeto estivesse presente, os cenógrafos tiveram de improvisar um sino de gesso para a ocasião.

 

Ozzy Osbourne

O príncipe das trevas fez de tudo no show em 1985, inclusive vestir uma camisa do Flamengo, atirada no palco. Mas uma cláusula do contrato de Ozzy o impedia de morder qualquer tipo de animal vivo durante a apresentação. É claro que um engraçadinho jogou uma galinha no palco (que sobreviveu, sem maiores problemas).

 

Ney Matogrosso

Ney foi o primeiro artista de qualquer nacionalidade a se apresentar no palco do Rock in Rio, pontualmente às 18h do dia 11 de janeiro de 1985. Ele fez uma versão do seu show Destino de Aventureiro, depois de uma temporada em São Paulo. Durante Rosa de Hiroshima, soltou dezenas de pombas do palco.

 

Rod Stewart

Num momento de transição da sua carreira, aos 40 anos, Rod Stewart subiu ao palco do Rock in Rio 1985 embalado por dezenas de sucessos — e chegou a falar sobre a ligação de Do You Think I'm Sexy com o Brasil (Stewart usurpou a música de Jorge Ben, para depois acertar um acordo cuja cifra ainda é um mistério). Ele se apresentou duas vezes no festival daquele ano.

 

Queen

Se alguém disser que o show do Queen no Rock in Rio 1 é um dos momentos mais marcantes da história do rock and roll, provavelmente não estará mentindo.

 

Rita Lee

Um público de cem mil roqueiros esperava impacientemente Rita Lee no palco (até Erasmo Carlos foi vaiado porque os fãs aguardavam a ex-Mutante). "Vocês já comeram o morceguinho do jantar", perguntou Rita, numa referência a Ozzy Osbourne, que se apresentaria no mesmo dia.

 

Barão Vermelho

O "nascimento" do Barão Vermelho ocorreu no Rock in Rio 1985 e foi televisionado. A performance de Pro Dia Nascer Feliz, entre as tantas canções de Cazuza e companhia, é inesquecível.

 

James Taylor

Outro artista que "renasceu" no palco do festival, foi James Taylor. O cantor e compositor americano estava numa fase difícil da carreira, mas a recepção dos cerca de 250 mil fãs presentes na sua apresentação mudou seu estado de espírito. Ele mais tarde escreveu a canção Only a Dream in Rio ("I was there that very day and my heart came back alive (eu estava lá naquele dia e meu coração voltou à vida)", diz na música).

 

Paralamas do Sucesso

Saudados pela crítica como a grande revelação do Rock in Rio 1, o Paralamas se apresentou duas vezes durante o evento, oportunidade que alavancou a carreira do grupo de vez para o panteão nacional (com uma ajudinha dos hits Meu Erro, Me Liga e Óculos, é claro).

 

Nina Hagen

A cantora alemã trouxe sua extravagância vocal ao palco do Rock in Rio — foi nessa viagem que ela se aproximou de músicos brasileiros, como Beth Carvalho e especialmente Supla.

 

Rock in Rio 2019 terá área especial para relembrar primeira edição

A área Rota 85, criada em referência à famosa rodovia Rota 66, nos EUA, vai relembrar no Rock in Rio 2019 o primeiro ano do festival.

A cenografia do espaço será inspirada pela Rota 66 e vai contar com decoração vintage, de acordo com a organização, com uma borracharia, um bar com memorabilia dos 34 anos de evento, um posto de gasolina e mais atrações.

A capela, que já há algumas edições realiza casamentos durante o festival, ficará neste novo espaço, em alusão à cidade de Las Vegas, nos EUA, que pode ser acessada pela Rota 66. 

A edição 2019 do Rock in Rio será realizada nos dias 27, 28 e 29 de setembro e ainda em 3, 4, 5 e 6 de outubro.

 

Rock in Rio 2019: Ainda há ingressos?

O Rock in Rio começará com seu público (praticamente) todo definido. Os 700 mil ingressos foram todos vendidos em questão de horas, mas quem tiver paciência ainda poderá encontrar bilhetes no site oficial do evento – alguns processos de compra não foram concluídos e os ingressos voltaram à bilheteria virtual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.