Roberto Carlos: rap na TV e multa nos bastidores

A Rede Globo leva ao ar hoje, às 22h, o especial Roberto Carlos 2002. Este ano, a direção geral ficou com Roberto Talma, que modificou o formato introduzindo algumas novidades. Entre elas está o clipe inédito para o rap que o Rei compôs, Seres Humanos.Outra surpresa reservada ao especial é um remix de Calhambeque, uma música que se tornou um clássico da Jovem Guarda que o top DJ Marky remixou, e levou às pistas de todo o mundo. Esse, e outros remixes, estão sendo feitos por DJs brasileiros, para um álbum a ser lançado em janeiro do ano que vem.Além disso, Talma promoveu uma jam session com Roberto Carlos, acompanhado pelo maestro Eduardo Lages ao piano e músicos de sua banda, que sempre acompanham o cantor em suas apresentações e gravações. O programa ainda traz entrevista do Rei com a jornalista Glória Maria, e imagens do show Amor Sem Limite (realizado no dia 10 de dezembro, no Via Funchal, em São Paulo), que reuniu mais de três mil pessoas e contou com várias celebridades.A Sony, gravadora de Roberto, está estudando também o lançamento de um DVD com imagens do show e da apresentação do Rei no Aterro do Flamengo, no Rio. Este ano, o tradicional CD de fim de ano, com músicas inéditas de Roberto Carlos, não foi lançado por decisão do próprio cantor, que não ficou satisfeito com algumas faixas.Multa - Nos bastidores, porém, o Rei continua às voltas com o processo movido Sebastião Braga. Na disputa judicial que já dura 15 anos, Braga acusa Roberto Carlos de plágio em O Careta. Um despacho da juíza Maria Leonor Baptista Jourdan, da 29.ª vara cível do Rio de Janeiro, divulgado ontem no site oficial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro obriga o o Rei a pagar multa no valor de R$ 5 mil por dia até que o artista apresente o contrato firmado com a gravadora Sony Music.Roberto apresentou quatro contratos que a juíza não aceitou. O documento é exigido pelo processo para se comprovar ou não a prática de plágio. A assessoria do cantor e o próprio Roberto Carlos acusam Braga de criar polêmica para se promover. Procurada pelo JT, a advogada Fernanda Martins, que trabalha na defesa do cantor, pediu um prazo para analisar a nova decisão e se pronunciar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.