Roberto Carlos presta depoimento em fórum do Rio

O cantor Roberto Carlos prestou depoimento hoje no processo por danos morais que move contra o compositor Sebastião Braga, por este tê-lo ofendido em uma entrevista, em 2002. Braga e Roberto Carlos brigam na Justiça há 14 anos numa outra ação, em que o cantor é acusado de ter cometido plágio. Na audiência de hoje, o juiz Mauro Pereira Martins estabeleceu um prazo de dez dias para que os advogados dos dois revejam o processo. Roberto Carlos pediu indenização no valor de R$ 720 mil.Um forte esquema de segurança foi montado no fórum para a chegada do cantor, às 13h30. Centenas de fãs e curiosos se amontoavam no corredor onde acontecia a audiência, marcada para as 14 horas. Roberto Carlos estacionou o carro no prédio do Tribunal de Justiça (TJ) e chegou acompanhado de quatro seguranças. Outros seis vigilantes do fórum, todos armados, ficaram na porta afastando a multidão. O cantor, vestindo o habitual terno azul, saiu sem dar declarações. Apenas disse que nenhum acordo tinha sido feito.Na entrevista, publicada em um jornal há dois anos, Braga diz que está escrevendo um livro intitulado Rei do Plágio, em que conta sobre os 14 anos de luta na Justiça para ter reconhecida como sua a música O Careta que Roberto Carlos gravou em 1987. A canção seria um plágio de Loucuras de Amor, composta por Braga quatro anos antes. "Eu tenho certeza de que vou ser absolvido porque não cometi dano nenhum. O Roberto é que tem de se sentir envergonhado por cometer plágio", disse Sebastião Braga.Além do processo da 27ª Vara, Braga responde por outra ação de danos morais, movida também por Roberto Carlos que o acusa novamente de tê-lo ofendido em uma entrevista do ano passado. Um dos cantores mais populares do Brasil, Roberto Carlos espera agora a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o valor que deverá pagar a Braga pela cópia de Loucuras de Amor. Segundo Campos, a quantia varia entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão. Ele informou ainda que Roberto Carlos perdeu em todas as instâncias porque "houve uma prova pericial de coincidência de notas musicais" e vai cumprir a ordem da Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.