Sony Music
Sony Music

Roberto Carlos: 'Não acredito no amor como posse'

Para o cantor, o sentimento não muda com o tempo e o único que varia é a maneira como se fala dele

Gustavo Borges, EFE

14 Novembro 2018 | 14h35

CIDADE DO MÉXICO - Roberto Carlos não gosta de posse; pelo menos não no campo do amor, como revelou o cantor nesta terça-feira, 14.

"Não acredito no amor como posse. Amor é para dar e receber, é a doação do outro para a gente. Assim deve ser enxergado: dar e receber. Às vezes não recebemos, mas é importante continuar dando. A posse não funciona no amor", afirmou o rei à Agência Efe.

Em entrevista concedida à Agência Efe e mais três jornais mexicanos, Roberto Carlos não conseguiu evitar falar do tema mais recorrente em sua obra, o amor. Para ele, o sentimento não muda com o tempo e o único que varia é a maneira como se fala dele.

"As histórias de amor são sempre iguais. A forma de falar do amor é que muda. O amor que você sente por uma mulher, por uma pessoa, é sempre igual, a maneira de falar é que é diferente. Antigamente, existia um pouco mais de lirismo e romantismo nas canções", argumentou.

Segundo o rei, no entanto, todas as formas são respeitáveis.

"Sabemos que existe uma forma diferente de falar do amor hoje. Não significa que o amor seja diferente", enfatizou.

No último fim de semana, o cantor lotou o Auditório Nacional, na Cidade do México, com capacidade para 10 mil pessoas, onde apresentou Amor sin límite. A turnê do novo álbum também passou pelas cidades de León e Monterrey.

Aos 77 anos, Roberto Carlos mostra uma vitalidade surpreendente e, ao ser perguntado sobre sexo, não pensou duas vezes.

"Para mim, o sexo é bom a qualquer idade. Não importa se é aos 20 anos ou aos 77; é sempre uma coisa muito boa e com amor é até melhor. É o que eu penso, mas prefiro não entrar em detalhes", declarou.

Ganhador em 2015 do prêmio Billboard Lifetime Achievement em reconhecimento à sua carreira, no mesmo ano foi eleito Personalidade do Ano nos prêmios Grammy Latino, quando recebeu uma homenagem em Las Vegas.

Autor de mais de 500 canções, o rei disse à Efe que o seu processo criativo varia e às vezes as músicas saem casualmente.

"A musa às vezes é uma situação, uma pessoa que vemos ou ouvimos. A minha principal musa para fazer canções é a vida. Tenho um olhar atento do que passa diante de mim e das histórias dos outros. Observo a vida com os detalhes, como diz a música. Na vida, temos o necessário para fazer uma canção", concluiu.

Roberto Carlos se apresentará na quinta em Puebla e na sexta-feira estará em Guadalajara. No domingo, a turnê pelo México chega ao fim, com uma apresentação em Querétaro.

O disco apresentado, um LP azul produzido pela Sony Music, tem dez faixas, incluindo Llegaste e Esa mujer, com Jennifer Lopez e Alejandro Sanz, respectivamente. 

 

Mais conteúdo sobre:
Roberto Carlos [cantor]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.