Roberto Carlos encerra shows em SP com público recorde

85 mil pessoas assistiram as 9 apresentações no Ibirapuera; no último dia, cantor se confessa palmeirense

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

03 de setembro de 2009 | 21h33

Público lotou as oito apresentações de Roberto Carlos no Ibirapuera. Foto: Pablo Pereira/estadao.com.br

 

 SÃO PAULO - Roberto Carlos concluiu nesta quinta-feira, 3, uma série de 9 shows em São Paulo com um recorde de público no Ginásio do Ibirapuera, 85 mil pessoas. Pela façanha, recebeu uma placa de bronze no ginásio, assinada pelo governador José Serra e que lhe foi entregue pouco antes do show, pelo secretário de Estado dos Esportes, Clary Alves da Silva. Também foi homenageado pela Câmara de Vereadores, que lhe deu a Medalha de Anchieta, maior condecoração da Casa (o título foi dado pelo vereador Adílson Amadeu, do PTB).

 

O show comemorativo dos 50 anos de carreira de Roberto Carlos passou por 13 cidades até agora e reuniu 300 mil pessoas. Ao final, terá reunido meio milhão de pessoas, segundo estimativa de sua assessoria. No ano que vem, no dia em que ele completará 69 anos, 19 de abril, estará cantando no Radio City Music Hall, uma turnê por diversas cidades americanas. As próximas datas de seus shows são: Curitiba (2 e 3 de outubro), Brasília (16 de outubro), Hotel Conrad de Punta del Este, Uruguai (13 de novembro), Belo Horizonte (14 de novembro) e Salvador (Estádio Pituaçú, 5 de dezembro).

 

Após a cerimônia, Roberto Carlos falou brevemente com a imprensa. Ao Estado, disse que pode voltar para fazer um show gratuito para a população da cidade ainda este ano. Contou que adiou de novo o lançamento de um disco de músicas inéditas, agora para o ano que vem, e que já tem 6 canções novas compostas para o disco em parceria com Erasmo Carlos. O resto, disse, provavelmente mesclará com canções de outros compositores.

 

Leia abaixo a breve entrevista de Roberto, que agora entra em férias e retorna com seu show em Curitiba, nos dias 2 e 3 de outubro.

 

Roberto, você realmente pensa em fazer um show gratuito para os paulistanos?

 

A gente tá sempre fazendo os shows, entende? Tentando levar as pessoas que não podem... vamos dizer, que não têm acesso aos shows que a gente faz em lugares menores, a gente está sempre pensando nisso. Recentemente, eu fiz agora, em Barretos, um show beneficente. Só que em benefício de um hospital.

 

Esse ano ainda?

 

É, quem sabe? Eu gostaria muito.

 

E quanto à sua participação no show pelos 50 anos de Brasília, não vai dar?

 

Isso aí tá sendo estudado, né? Eu tô nos Estados Unidos nessa época, a gente tem que ver direitinho se dá para ir lá (a Brasília) e voltar para continuar a turnê lá.

 

Roberto, em que medida essa homenagem é importante para você?

 

Para mim, é uma coisa que me deixa contente, compensa o esforço que a gente faz. E vamos dizer, o tempo que eu fico nos estúdios, tentando fazer tudo da melhor forma. Isso tudo é maravilhoso, gratificante.

 

Roberto, disseram que você é vascaíno, mas que estava também torcendo para o Palmeiras. Que história é essa?

 

(Risos) Eu sou palmeirense em São Paulo e vascaíno no Rio. Difícil é quando estão jogando os dois.

 

Mas como é que faz com o seu filho que torce pelo Corinthians?

 

Ah, o que se vai fazer, né? (risos)

 

Roberto, você já está pronto para amar de novo?

 

Eu acho que a gente está sempre pronto para seguir a vida, e fazer aquilo que é melhor para a gente.

 

Você já está namorando?

 

Não, agora não. Ainda não.

 

Mas tem alguém?

 

Não.

 

Você disse, quando lançou esse projeto dos 50 anos de carreira, que já tinha 5 músicas novas para o disco de músicas inéditas?

 

Agora, compus uma a mais. De repente, vou compor mais uma canção. Mas esse disco vai ter música de outros compositores. O Erasmo disse que as canções tinham sido compostas há mais de 4 anos. Algumas começadas há mais de quatro anos. Uma, não todas.

 

Quando foi a última vez que você encontrou o Erasmo para compor?

 

Foi no ano passado. A gente estava preparando o disco que a gente ia lançar no ano passado. (Risos). Agora, esse ano, não tá dando tempo para nada.

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto Carlos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.