Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Roberto Carlos diz que pode ir à justiça contra livro em Portugal

Cantor também anunciou, nesta segunda-feira, o lançamento de um cartão de crédito com o nome dele

Jotabê Medeiros - O Estado de S. Paulo,

27 de dezembro de 2010 | 19h06

RIO - O cantor Roberto Carlos disse na tarde desta segunda-feira, 27, que pode ir à Justiça em Portugal para evitar a comercialização do livro Roberto Carlos em Detalhes, de Paulo César Araújo, biografia não-autorizada. Alguns sites portugueses vendem o livro livremente desde sua proibição pela Justiça, no Brasil, há três anos.

 

"Eu não sabia disso", disse Roberto, contrariado. "Eu ouvi que havia alguns exemplares à venda no início, quando o livro foi retirado das livrarias. Vamos tomar algumas providências", afirmou o empresário de Roberto, Dody Sirena.

 

As declarações foram dadas durante entrevista pelo lançamento do cartão de crédito da Credicard que estampará o rosto do rei. A partir de abril, os clientes da bandeira terão direito a compra antecipada de 50% dos ingressos para os shows do cantor, entre outros benefícios como acesso ao backstage e pré-venda de pacotes para o cruzeiro Roberto Carlos em Alto-Mar.

 

O cantor também contou que o acidente que fez com que cantasse a maior parte do tempo sentado, em Copacabana, no sábado, frente a 400 mil pessoas, foi causado por um pisão em falso há três dias, e não pela queda de uma moto. Disse que tem um triciclo Bombardier, e que já o tinha estacionado e descia da moto quando pisou de mau jeito.

 

A pisada em falso agravou um problema antigo no nervo ciático, e Roberto disse que vai fazer fisioterapia para poder desfilar no Carnaval com a Beija-Flor. Também negou romances com a cantora Paula Fernandes e com a passista Raissa, da Beija-Flor, que participaram de seu show no sábado. "Só boato", afirmou. Mas disse que namoraria ambas, se pudesse. "Quem não?", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.