Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Roberto Carlos chama de 'mentirosa' a cena de filme sobre Tim Maia

'Nunca briguei com ele', afirmou em coletiva a bordo de um cruzeiro

Fábio Grellet - ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2015 | 20h16

ARMAÇÃO DOS BÚZIOS - O cantor e compositor Roberto Carlos afirmou na tarde desta quinta-feira, 5, que nunca brigou com o cantor Tim Maia e classificou como "mentirosa" a versão narrada pelo filme Tim Maia, de Mauro Lima, sobre a vida do colega de adolescência no Rio de Janeiro. "Quando formamos o conjunto, todos nós sabíamos que a intenção minha, do Erasmo e do Tim era seguirmos carreira solo", afirmou. Por isso, acrescentou Roberto, não houve briga quando decidiu deixar o grupo.

Na cena do filme, Tim lança sanduíches em Roberto ao ver o colega negociando participação solo em programa de TV. "Não existiu jogar pedaço de pão, é mentira. "Quando Tim voltou dos Estados Unidos, me procurou e ele foi escalado pra cantar na Jovem Guarda (programa de TV comandado por Roberto na década de 60). Cantou 'Georgia on my mind’ (clássico norte-americano), fez sucesso e voltou outras vezes. Não sou de ficar contando, mas eu pedi para a (gravadora)CBS gravar um disco dele. Ele gravou, não fez tanto sucesso quanto esperava, e Tim acabou mudando de gravadora", disse Roberto, em entrevista coletiva concedida durante a temporada do Projeto Emoções em Alto Mar", em Armação dos Búzios, cidade na Região dos Lagos fluminense.

"Acho uma falta de ética de quem colocou isso no filme", continuou o cantor, referindo-se à briga com Tim. "Nós tínhamos turmas diferentes, mas não brigamos. Ele foi escalado para meu especial (de fim fé ano) na TV Globo, inclusive", acrescentou. O escritor Paulo César Araújo, autor de “Roberto Carlos em Detalhes”, biografia do cantor e compositor que, a pedido de Roberto, teve a comercialização proibida pela Justiça, foi impedido de se credenciar, como jornalista, para a entrevista coletiva anual. Questionado sobre o veto à presença do escritor, com quem Roberto Carlos manteve uma disputa judicial, o cantor afirmou que foi sua assessoria que resolveu vetar a presença de Araújo "Fiquei sabendo disso depois. Foi um cuidado tomado pela minha assessoria, e eu concordo plenamente. Aqui é minha casa, e ele é personagem no grata", disse.

Roberto contou estar gravando depoimentos para sua autobiografia.  "Ainda não tenho alguém pra escrever, mas logo, logo vou ter, porque pretendo lançar logo esse livro. E devem ser dois volumes, porque é muita informação, não caberia num livro só. Vou contar tudo, e ninguém sabe da minha vida melhor do que eu", concluiu. O cantor afirmou ainda que em 2016 deverá fazer uma grande show como o que fez em Jerusalém, que virou disco e DVD. Desta vez o palco deverá ser a Itália. Ele não deu mais detalhes do plano.

Roberto comentou também sobre os pedidos de reconhecimento de paternidade que já recebeu. "Foram oito, alguns de gente que eu nunca conheci. Eu faço, quando a pessoa pede já estendo o braço. Mas até agora só um deu positivo, só o Rafael, que eu imediatamente reconheci." Perguntado sobre como avalia o cenário político brasileiro, Roberto se esquivou: "Eu acredito que o País vai resolver essas questões, vai ficar tudo bem", limitou-se a dizer.

Mais conteúdo sobre:
Roberto CarlosTim Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.