Roberto Carlos cantarola "Emoções" para FHC

A biblioteca do Palácio da Alvorada virou palco para o cantor e compositor Roberto Carlos. Numa cerimônia descontraída, o presidente Fernando Henrique Cardoso agraciou o eterno rei da música brasileira com a Ordem do Mérito Cultural. Agradecido e se dizendo nervoso por estar num "palácio de verdade", Roberto Carlos cantou trechos de ?Emoções? - um de seus maiores sucessos. Em sua última sexta-feira antes de passar o cargo ao sucessor Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique reuniu a primeira-dama Ruth Cardoso, suas duas filhas e três netos, além de camareiras, garçons e empregadas domésticas do Alvorada. Não faltaram cenas de tietagem: todos queriam tirar fotos e cumprimentar o rei. Em clima de despedida, a camareira Dalina ficou mais de um minuto abraçada, lado a lado, com Ruth. "Um país não se faz apenas de atos heróicos. Um país se faz - com sacrifício, é verdade -, mas se faz também com prazer, com satisfação, com saber cantar as coisas mais simples de uma maneira comovedora", discursou Fernando Henrique. "Essa condecoração engrandece o povo que a dá a você. Você não precisa dela, você sem ela já representa tudo o que nós amamos nesse nosso País." Emocionado, o rei se atrapalhou na hora de pegar o microfone e foi auxiliado por um assessor da Presidência. Fernando Henrique não se surpreendeu: ele sabe, e até já comentou com Lula, que o palácio impõe respeito e, pelo menos no mundo da política, faz seus visitantes baixarem o tom nas conversas com o presidente. "O palco é bem mais fácil", disse Roberto Carlos. "Como eu não sei falar, só posso mesmo agradecer a todos. Obrigado ao povo brasileiro e obrigado presidente por tantas alegrias que o senhor tem dado ao povo brasileiro e a mim." Foi aí que Fernando Henrique brincou: "Ele disse que não sabe falar, imagina se eu fosse cantar..." E o rei não perdeu a deixa: "Quando eu estou aqui, eu vivo esse momento lindo. Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi", cantou. O presidente já havia condecorado artistas no último dia 17 com a Ordem do Mérito Cultural, mas compromissos na agenda de Roberto Carlos impediram-no de comparecer. Na condição de "rei", ele ganhou ontem a homenagem individual. Indagado pela imprensa, aproveitou para falar de suas expectativas sobre o próximo governo. "Desejo ao presidente eleito Lula que faça um ótimo governo. Acho que todos nós devemos apoiá-lo naquilo que pudermos e que concordarmos", disse, demonstrando otimismo em relação ao trabalho do futuro ministro da Cultura, Gilberto Gil. "Nós conhecemos o Gil como artista e agora vamos conhecê-lo como ministro. Se ele fizer como na parte artística, acho que vai fazer bem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.