"Ritmos da Terra" abre espaço para a percussão

Começa hoje, em Campinas, a mostra Ritmos da Terra, evento internacional dedicado à percussão, com promoção da Unicamp e do Sesc. A programação da mostra, que vai até domingo, prevê apresentações, festas, um simpósio sobre percussão e ação social, exposição de instrumentos, oficinas.Ao todo, foram relacionadas 34 apresentações de músicos e grupos vindos de oito países, além do Brasil: Argentina, Uruguai Venezuela, Estados Unidos, Portugal, Espanha, França e Itália. A exposição de instrumentos contará com 240 peças de todo o mundo. O simpósio sobre percussão e ação social vai reunir 300 pessoas, representantes de 30 projetos (Meninos do Morumbi e Moleques de Rua, de São Paulo, Banda Bate Lata, de Campinas, Oldum e Projeto Axé, de Salvador, Projeto Mangueira do Amanhã, do Rio). As festas populares, reproduzidas no Centro de Convivência Cultural da universidade, representarão o samba paulista, o boi do Maranhão e o samba-enredo.Ritmos da Terra difere do Panorama Percussivo Mundial (Percpan), realizado há sete anos em Salvador. Seu curador, o percussionista Dalga Larrongo, já se apresentou no Percpan, cuja proposta é encontrar identidades entre os múltiplos tambores do mundo. Ritmos da Terra pretende contar a história dos tambores e identificar diversos elementos formadores da identidade cultural brasileira.Entre as atrações brasileiras da mostra estão Caíto Marcondes, o Duo Contexto (formado por um brasileiro e um norte-americano), grupo da escola de música de Tatuí, o Abaçai Culturaltura e Arte, de São Paulo, Carlos Tarcha. No elenco internacional estão a italiana Alessandra Belloni (pandeirista que também já se apresentou no Percpan), o duo Angel Frete, da Argentina, Bob Breithaupt, John Ooton, Ted Piltzecker, Hands On´Semble, Donald Knaack, Tomas McCutchen, Steel Drums, todos dos Estados Unidos, o Trio Amores, da Espanha, Edgar Saume, da Venezuela, e a formação Drumming, de Portugal.Algumas atividades são pagas, outras gratuitas. Informe-se no site www.unicamp.br/ritmosdaterra/

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.