Rita Ribeiro vem a SP com show acústico

A cantora maranhense Rita Ribeiroresolveu aproveitar a "entressafra" que separa seu terceiro CD,Comigo, do próximo álbum, para se voltar aos projetosespeciais. Alguns deles ainda não passam de planos, como um showde reggae e um só com repertório à la Jorge Benjor. Outros,entretanto, estão devidamente encaminhados. É o caso doespetáculo inédito Rendendê (nome de uma renda nordestina), que será realizado no Sesc Vila Mariana. São Paulo é a primeira cidade a receber esta apresentação, com concepção assinada pela diretora de teatroEugênia Thereza de Andrade. No ano passado, Eugênia foi assistira um show de Rita e a convidou para fazerem um trabalho juntas -o que veio de encontro a um antigo desejo da cantora, que hátempos queria criar um clima cênico em suas apresentações."Aceitei o convite também pela possibilidade de realizar umnovo contexto sonoro", ela afirma. O repertório compila basicamente músicas de seus trêsdiscos, mas com novas roupagens: Cocada (Antonio Vieira),Jurema (de domínio público), Há Mulheres (Vânia Borges),Pra Você Gostar de Mim (Vital Farias), ImpossívelAcreditar Que Perdi Você (Cobel e Márcio Greyck), entreoutras. Há ainda algumas novidades na sua voz, como Milagre,Como Dizia o Mestre e Custe o Que Custar (sucesso nainterpretação de Roberto Carlos). O show, acústico, será conduzido com uma base simples,formada por voz, violão e percussão. "A idéia era transpor paraoutras releituras", diz. Muito dessa experimentação sonora sedeve à participação do músico Djalma Corrêa, que divide o palcocom Rita Ribeiro, além de ser responsável pela direção musicaldo espetáculo, com Pedro Mangabeira (com quem a cantora trabalhahá anos). Apesar de admirar Djalma desde que "se conhece porgente", é a primeira vez que Rita realiza um projeto com omúsico. "Fiquei instigada pela possibilidade de me apresentarcom ele, que já tocou com diversos músicos e é respeitado noexterior." Para a maranhense, as experimentações devem pontuar atrajetória de todo artista. "Não me preocupo com fórmulas, olegal de fazer arte é se arriscar. O artista que não se arriscaestá morto." Ao mesmo tempo em que ´arrisca´ novasmusicalidades, Rita está em processo de pesquisa para oquarto disco da carreira ou, como ela denomina, na fase de"pré-produção no palco". E garante não ter pressa paradefini-lo. "Meus projetos são coerentes com meu sistema detrabalho, nada é solto, é do jeito que eu gosto."Rita Ribeiro - Sexta e sábado, às 21 horas; edomingo, às 18 horas. De R$ 7,50 a R$ 20,00. Teatro do Sesc VilaMariana. Rua Pelotas, 141, São Paulo, tel. 5080-3000. Atédomingo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.