Rita Ribeiro funde sons do terreiro e das pistas

O aprimoramento de Rita Ribeiro no palco pode ser medido pelo assombro evolutivo de Jurema, o ponto de umbanda que ela fundiu com levada de dance music no disco de estréia, de 1998. A cada show, a música vem ganhando mais peso e mais força, não apenas pelos arranjos cada vez mais encorpados, mas também pelo impacto visual. Quando Rita evoca a entidade cabocla magnetiza a platéia numa espécie de transe. A partir desse efeito de Jurema, que reflete sua maturidade como intérprete, a cantora maranhense passou a acalentar a idéia de um projeto de show-disco, todo centrado na fusão do som dos atabaques dos terreiros, com timbres eletrônicos e levadas de pop dançante. Assim nasceu Tecnomacumba - O Canto dos Orixás, que Rita mostra de hoje a domingo no Sesc Vila Mariana.O resultado não é exatamente o que vai cair no gosto de um fã de tecno. "Na falta de melhor expressão para definir meu projeto usei isso. Do universo eletrônico só tenho curiosidade, ainda assim é mais pela tecnologia do que pela música", avisa a cantora. "O que me seduz é trazer essa cultura do terreiro para a linguagem pop-tecnológica." Rita sugere uma associação entre o transe hipnótico dos rituais de umbanda e candomblé e o das pistas de dança das discotecas. "Procurei entender o que, além da religião, produzia essa sensação no terreiro e vi que, primeiro, é a música que está no canto e no batuque e, depois, a dança."Tecnomacumba vai ser gravado para sair em CD ao vivo e DVD. No repertório estão preciosidades como Domingo 23 (Jorge Ben), Oração ao Tempo (Caetano Veloso), Babá Alapalá (Gilberto Gil), Rainha do Mar (Dorival Caymmi), Iansã (Gil e Caetano), Xangô Vencedor (Ruy Maurity) e Cavaleiro de Aruanda (Ronnie Von), além de Jurema e Moça Bonita (esta do repertório de Ângela Maria), que Rita já havia gravado. Para encerrar há o Tambor de Crioula, dos maranhenses Cleto Junior e Oberdan de Oliveira.Rita Ribeiro - O Canto dos Orixás. 6.ª e sáb. às 21h; dom. às 18h. De R$ 7,5 a R$ 20. Teatro do Sesc Vila Mariana (R. Pelotas, 141, tel.: 5080-3000).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.