Rita Lee faz a festa do sexo, botox e rock & roll

Há algo de novo no reino de Rita Lee. O álbum Balacobaco é o mais provocativo de seus últimos discos e suas frases de sarcasmo-com-fundos-de-verdade corroem estômagos de suas vítimas. Isso é o que ela pode controlar. O que não pode é o fenômeno da mulher-bomba que se tornou nos últimos meses contra a própria vontade. O que Rita fala em seus shows faz estrondos que assustam a própria roqueira. Se decide se internar em um hospital, poucos acreditam no motivo oficial do estresse. Se aplica um botox e odeia o resultado, ganha capas de revistas. O palco é de novo de Rita Lee, de hoje a domingo no Tom Brasil. A se ter como exemplo respostas desta entrevista por e-mail, pode-se esperar barulho além do que sua guitarra pode fazer. Rita, como você está? Valeu o tempo que ficou internada? Querido.... foi melhor do que spa (se bem que nunca estive em um). Me sinto segura em hospitais, ainda mais no Albert Einstein que mais parece um hotel cinco estrelas, comigo seis... Por aqui diziam que era algo mais grave do que estresse. Que quem tem estresse não vai para o Albert Einstein mas para um spa. A imprensa adora falar que há alguma coisa mais grave, he he he... Mas o que seria algo mais grave? Há tempos atrás me arranjaram uma leucemia, hoje acho que seria Aids... Engano seu, estresse se cuida no hospital com acompanhamento médico, não teria por que mentir, se fosse qualquer outra coisa eu já teria falado no programa Saia Justa. Escândalos são bons para vender discos. Imagine se eu tivesse um tumor na cabeça, uau! Rita, você disse que uma parte ´cabecinha´ da imprensa não entendeu suas brincadeiras com os paulistas naquele show do Rio. E que você sempre faz brincadeiras com uma cidade quando vai tocar em outra. Já preparou torpedos para mandar aos cariocas? Da minha santa boquinha não vai sair nenhuma fofoca, chega de polêmicas tolas...tolêmicas. ´Balacobaco´, mais do que ´Aqui, Ali, Em Qualquer Lugar´ parece ter te dado uma força maior junto ao público grande. É impressão ou o disco vem mesmo mais acertado que outros? Não querido, não é impressão não... este disco tem um kerekekê a mais sim, talvez porque seja o primeiro disco independente meu. E, de agora em diante, eu quero mais é independência e vida. ´Tudo Vira Bosta´, as polêmicas do filme ´A Paixão de Cristo´, os atentados em Madri... É viagem ou está tudo ligado? É viagem não, os tempos estão para meditar sobre a filosofia da escatologia humana. E o que não vira bosta? Deus.´Amor e Sexo´, Luma de Oliveira e o marido.... Vale mesmo fazer tudo por amor? Amor é sorte, não dá pra ficar forçando a barra para acontecer nem para tocar adiante quando acaba.Serviço - Rita Lee. Show de lançamento. Sexta e sábado, às 22h; e domin. às 20h. De R$ 40 a R$ 100. Tom Brasil - Nações Unidas (R. Bragança Paulista, 1.281. tel. 2163-2000)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.