Gabriela Biló/ESTADÃO
Gabriela Biló/ESTADÃO

Rita Lee anuncia live com debate sobre o disco 'Lança Perfume'

Bate-papo terá a participação de Mel Lisboa, Pedro Bial, Rita Cadillac e Ronnie Von, e será mediado pelo jornalista Guilherme Samora; expectativa dos fãs é que cantora também participe

Redação, O Estado de S. Paulo

05 de maio de 2020 | 20h44

A conta oficial de Rita Lee no Instagram anunciou uma live com um bate-papo sobre os 40 anos do disco Lança Perfume. Não é certo que a cantora vai participar, mas o jornalista Guilherme Samora, mediador do programa, disse em suas redes sociais que ela pode sim "dar o ar da graça".

O bate-papo tem a presença confirmada de Mel Lisboa (que viveu Rita no musical sobre a vida da cantora), Pedro Bial, Rita Cadillac e Ronnie Von.

O disco, na verdade nomeado apenas Rita Lee, foi lançado em 1980 e trouxe alguns dos maiores sucessos da carreira da cantora, como Baila Comigo e Lança Comigo, que chegou a frequentar o topo das paradas na França. O projeto sinalizava a vontade de Rita de alcançar mais pessoas com a sua música, movimento que influenciou diversos artistas da música brasileira, como Lulu Santos, Marina Lima e o Barão Vermelho. O álbum teve arranjos de Lincoln Olivetti, e as composições foram de Rita Lee e Roberto de Carvalho.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Rita Lee Jones (@litaree_real) em


Em entrevista ao Estado em abril, a cantora falou sobre sair da reclusão em que se recolheu nos últimos anos. "Me deu vontade de dar as caras para trocar figurinhas amorosas com quem está preso em casa buscando companhia."

Ela disse estar produzindo ("Fiz uma música punk, sobre uma garota que vive no mundo virtual sob o codinome #bloodymary e que está torcendo para que a raça humana suma do mapa de vez") e também contou que tem mais dois livros infantis planejados para lançar este ano.

Sobre a pandemia do coronavírus, ela disse acreditar que seria uma boa oportunidade para a humanidade aprender a respeitar outras formas de vida na Terra. "A raça humana tem sido o parasita do planeta. Quando essa pandemia acalmar, seremos obrigados a mudar, por nossa saúde física, mental, psicológica e espiritual."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.