AP
AP

Ricky Martin usa a sua música e a fama para ajudar no combate ao tráfico de crianças

Cantor também juntou-se à campanha de Elton John no boicote aos estilistasDolce e Gabbana

Norma Galeana, Reuters

19 Março 2015 | 10h18

Trinta anos depois de Ricky Martin começar sua carreira no grupo Menudo, formado por garotos porto-riquenhos, o cantor premiado com o Grammy usa sua música e a fama para ajudar a combater o tráfico de crianças.

Depois de lançar um novo álbum, A Quien Quiera Escuchar, Martin, de 43 anos, diz que gosta de falar para a multidão sobre as crianças forçadas à prostituição e pornografia.

"Não só em Porto Rico, mas em todo o mundo, aqui nos Estados Unidos, há um número muito grande de crianças que estão se tornando escravas", disse Martin à Reuters em uma entrevista nesta semana.

O cantor de Livin 'la Vida Loca abriu um centro em Puerto Rico no ano passado para combater a exploração de crianças.Sua outra grande causa, disse ele, é a "luta da minha comunidade, a comunidade LGBT, que é algo que eu não vou ficar cansado de fazer".

Martin, pai de meninos gêmeos gerados por barriga de aluguel, expressou sua decepção em mídias sociais e juntou-se à campanha de Elton John no boicote aos estilistas italianos Domenico Dolce e Stefano Gabbana, depois que Dolce descreveu as crianças filhas de casais homossexuais geradas por tratamento de fertilidade como "sintéticas".

Martin se recusou a discutir na entrevista a polêmica com Dolce & Gabbana.

Mais conteúdo sobre:
Ricky MartinMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.