Renato Braz faz show para estrelas no Rio

Os paulistas invadiram nossa praia numaboa. Foi na quarta-feira, com a estréia no Rio do cantor RenatoBraz, vencedor do último Prêmio Visa de MPB - Edição Vocal, emjulho deste ano. Ele lançava seu quarto CD, Quixote, que saipela Gravadora Eldorado, como parte da premiação. Para quemnunca tinha se apresentado na cidade, teve uma platéia recheada(quase encheu os 400 lugares do Teatro Clara Nunes) e salpicadade estrelas.Lá estavam Paulo César Pinheiro e Luciana Rabello (elaparticipou do show com seu cavaquinho precioso), CristinaBuarque com sua prole (também dando canja), o bateristaimperiano Wilson das Neves e outros mais. Braz estreava no Rio,mas é conhecido de quem freqüenta as melhores rodas de samba dacidade. "Já cantei uma vez no Bip Bip (boteco de Copacabana, nazona sul, onde se faz música da melhor qualidade). Cheguei sócom o violão, estavam lá o Paulinho Pinheiro, a Suely Costa eeles me ajudaram a cantar", lembra Renato. "Tenho grandesamigos no Rio e é sempre tão bom estar aqui que fico compreguiça de voltar."O show misturava o repertório de seus quatrodiscos já lançados e músicas de paulistas, cariocas, clássicos(como Onde Está Você, Desenredo, A Saudade Mata aGente) com um repertório pouco conhecido (Canteiro deObras, de Wilson Moreira e Sérgio Fonseca, e Não Vim praFicar, inédita de Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro).Os arranjos são coletivos. A banda Saci com Cãibraacompanha Braz há dez anos (Cizão Machado no baixo, Mário Gil eMário Oikawa nos violões, José Bré e Guelo nas percussões ePratinha na flauta) revela um entrosamento raro e ainda recebecanjas preciosas de músicos como os percussionistas Paulino Diase Pretinho do Império, e a saxofonista Adriana Muller (que tocouo Trenzinho Caipira na introdução criada para Desenredo,de Dori Caymmi).Dori, aliás, foi a única ausência, pois teve problemasdurante a tarde e não apareceu para saudar o amigo de longadata. "Soube dele através do Mário Gil e me apaixonei por suamúsica", conta Renato. "É assim que sempre escolho orepertório. Amigos me trazem as músicas, os compositores, e nostornamos uma grande turma."Braz ainda aprontou uma surpresa no show, ao chamar aopalco Theo de Barros, que o acompanhou no clássico Disparada(de Theo e Geraldo Vandré) e ainda deu uma canja, solandoRevoada. "Eu trouxe este carioca de volta, depois de 17 anos deausência. Vocês estão perdendo a presença dele e nós, lá em SãoPaulo, aproveitando", brincou o cantor. No fim, ele aindaprecisou voltar três vezes para o bis e saiu do palco sobprotestos do público. "Queria voltar com mais calma, para umatemporada e um show mais elaborado que este", concluiu Renato."Foi ótimo reencontrar tantos amigos cariocas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.