Wilton Júnior / Estadão
Wilton Júnior / Estadão

Red Hot Chili Peppers vende catálogo para fundo britânico

O valor da transação entre Red Hot Chili Peppers e British Hipgnosis é estimado entre US$ 140 mihões e US$ 150 milhões

Redação, AFP

04 de maio de 2021 | 14h05

O grupo americano de rock alternativo Red Hot Chili Peppers vendeu seu catálogo de álbuns a um dos gigantes da gestão de direitos musicais, o British Hipgnosis, por um valor estimado entre US$ 140 milhões e US$ 150 milhões, segundo a revista especializada Billboard.

Procurado nesta terça-feira pela AFP, nem o Hipgnosis nem o grupo comentaram o assunto. 

O fundo de investimento já detém os catálogos completos da cantora pop colombiana Shakira e do roqueiro canadense Neil Young.

Formado em 1983 na cidade de Los Angeles, o Red Hot Chili Peppers alcançou a fama com seu quinto álbum de estúdio, Blood Sugar Sex Magik de 1991, com sucessos como Under The Bridge, Give It Away e Suck My Kiss

No total, a banda liderada pelo vocalista Anthony Kiedis e o baixista Flea colocou sete álbuns no top 10 de vendas nos Estados Unidos, incluindo Californication de 1999, que vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo.

Desde sua criação até seu IPO em Londres em 2018, Hipgnosis arrecadou mais de 1,1 bilhão de libras (US$ 1,5 bilhão) em negócios.

Para financiar a aquisição do catálogo do Red Hot Chili Peppers, o fundo de investimento realizou um aumento de capital, o que lhe permitiu angariar cerca de US$ 15 milhões, segundo documentos divulgados pela LSE, a Bolsa de Valores de Londres.

Criado pelo ex-empresário de artistas Merck Mercuriadis, o fundo investiu centenas de milhões de dólares em direitos musicais e em ritmo constante.

Agora tem sob seu controle uma série de clássicos da música popular, bem como os direitos de dezenas de sucessos recentes, incluindo Shape of You de Ed Sheeran e Uptown Funk! de Bruno Mars.

O apetite dos investidores por direitos musicais se deve em grande parte ao desenvolvimento do streaming, que abriu oportunidades para uma indústria que busca um novo modelo desde o início dos anos 2000. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.