Acervo Estadão
Acervo Estadão

Recluso, João Gilberto não cabia no império das redes sociais

O cantor era uma antítese do status atual de ‘celebridade’, mas foi a expressão máxima da elegância

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2019 | 18h45

João Gilberto, em sua vida privada, era a antítese das atuais celebridades. Neste império das redes sociais, em que artistas de categoria duvidosa arrebatam milhões de seguidores apenas mostrando detalhes de seu dia-a-dia e até de suas mais íntimas atividades, João era uma aberração. Não gostava de aparecer, queria ser amado e compreendido pela sua arte. Quase impossível hoje em dia.

João foi  (e continuará sendo) a expressão máxima do "cool", da elegância, do menos é mais, do discreto e do refinado na música e na história dos grandes artistas do Brasil. Difícil imaginar a prevalência de suas ideias nestes tempos de gritaria, verborragia, megatatuagens e veias saltadas em discussões polarizadas. Sim, João foi um radical, mas da beleza, do sutil.

Amarrado às tradições mais arcaicas do samba,inventou a música brasileira moderna para mostrar que bacana mesmo não é imitar os norte-americanos ou os europeus, mas, sim, buscar em nossas raízes a essência da alma brasileira. Com essa receita,  deixou o mundo de jazz de joelhos diante de sua técnica refinada.

Com sua morte, João atingiu o ponto máximo de sua obra reclusa e intimista: foi-se o homem, ficou o estilo, a arte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.