Recluso, Buchecha tenta superar crise depressiva

Desde a primeira hora do sábado que a rua tipicamente residencial na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, perdeu o sossego. Em frente ao condomínio no Jardim Guanabara, bairro de classe média alta, concentram-se curiosos e alguns jornalistas, numa espécie de ponto turístico. Alguns, com o semblante fechado, apontam janelas e dizem em tom baixo: "Ali mora o Buchecha".Claucirlei Jovêncio de Souza, 27 anos, o Buchecha, era amigo de Cláudio Rodrigues de Mattos, o Claudinho, há 20 anos e parceiro na carreira musical há sete. Claudinho tinha 26 anos quando morreu no sábado de manhã, às 6h30, em um acidente na Via Dutra, após voltar de um show em Lorena, interior de São Paulo, em uma caravana com a equipe e com o parceiro.Cantor ainda está recluso Após a o velório e o enterro no fim de semana, Buchecha está recluso, sem atender ao telefone. Procura descansar e superar a crise depressiva causada pela morte do parceiro. Com a morte do amigo, Buchecha diz aos mais íntimos não saber ao certo que futuro terá sua carreira, mas a assessoria de imprensa da Universal, gravadora de todos os CDs da dupla, garante que há interesse que Buchecha permaneça no seu quadro de artistas.Nada foi definido ainda. Nem o dia da reunião sobre o planejamento da nova carreira, lançamento de CDs-coletâneas ou mesmo um reforço no estoque de trabalhos da dupla.Gravadora também não tem definição Por enquanto, a Universal só divulgou um comunicado, afirmando que "nós da gravadora e seus milhares de fãs vemos desaparecer com Claudinho um exemplo de perseverança, espontaneidade e alegria". Em princípio está prevista uma coletiva de imprensa com Buchecha que será realizada amanhã no Rio de Janeiro. Vanessa Alves Pereira, 23 anos, viúva de Claudinho, também deve participar da coletiva.A casa onde morava com o cantor, em Pitangueiras, bairro vizinho a Buchecha, na Ilha do Governador, também se tornou um local que tem atraído plantões de jornalistas e curiosos. Ali, Vanessa está reclusa ao lado da filha, Andressa, 4 anos, e acompanhada por alguns irmãos de Claudinho.Cansados de atender ao telefone, familiares aceitam pêsames, mas dizem que não têm condições de responder às freqüentes perguntas do tipo "como era Claudinho?" ou "quais os planos daqui para frente?". Em entrevista coletiva, a mulher de Claudinho disse que a família ainda está muito abalada com a morte do cantor.Vanessa disse que a última vez que falou com Claudinho foi na sexta-feira, antes de seu último show. "Nossa filha não queria que ele fosse e chorou muito. Ele disse para ela: ´Fica com a mãe porque ela vai ficar sozinha´".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.